200.000 sírios se refugiam junto a fronteira com Israel

Acredita-se que cerca de 200.000 sírios estão se refugiando junto a fronteira com Israel depois que fugiram dos bombardeios da Rússia e dos ataques das milícias iranianas e de Assad contra as aldeias no sul do país, a situação está caótica.

Um dos refugiados que deu entrevista ao YnetNews declarou que muitos preferem morrer do que voltar as mãos do governo assassino de Bashar Assad que não respeita nenhum tipo de acordo.

O entrevistado contou como chegaram a fronteira da Jordânia e não receberam nenhum tipo de ajuda, eles foram obrigados a deixarem suas mulheres e crianças para trás, “as milícias iranianas e do Hezbollah chegaram destruindo e roubando tudo que viam pela frente. Tivemos que abandonar tudo e sair somente com a roupa do corpo”. Ele contou que muitos que desertaram do exército sírio estão sendo simplesmente executados por Assad e seus exércitos.

“Quando meu pai tentou sair da aldeia, fizeram disparos de alerta contra ele e ele teve que retornar”.

“Soldados do exército de Assad e da milícia iraniana e outros entraram em casas nas aldeias de Dar’a e roubaram tudo o que puderam encontrar”, disse ele.

“Eles levaram as jóias de ouro das mulheres, e aqueles que vivem nas aldeias desta área, vivem com medo terrível e não podem sair de casa, e os soldados de Assad podem entrar nas casas a qualquer momento e pegar o que quiserem.”

Sobre a conduta de Israel, que decidiu enviar uma grande quantidade de ajuda humanitária aos refugiados sírios que fugiram de Dar’a, e até receberam alguns feridos da área durante o fim de semana, o refugiado elogiou. “Vimos uma ação muito nobre da parte de Israel – tanto com a ajuda que enviou para com os feridos, e esperamos que Israel pressione os países da região para que abram suas fronteiras”.

“Não podemos confiar no governo, já o vimos antes, mandando os cidadãos para a prisão depois de chegar a um acordo com eles. Ninguém sabe o que aconteceu com eles”.

Ele disse que Assad visava apenas grupos armados e organizações terroristas, mas todos os cidadãos inocentes que protestavam contra o regime, e isso inclui médicos, jornalistas e ativistas. “Somos pessoas simples que só querem viver em paz, não somos violentos e não gostamos de guerras”, diz ele.

Ontem, as Forças de Defesa de Israel transferiram seis civis sírios que estavam gravemente feridos, entre eles quatro crianças de 6 a 14 anos que estavam em coma, de acordo com um relatório do lado sírio. A IDF disse que desde o início dos combates na área de Dar’a, o lado sírio da fronteira teve uma grave escassez de alimentos, médicos e equipamentos médicos.

Segundo o IDF, desde 2013, mais de 3.500 feridos foram transferidos para Israel para tratamento na Síria.

Foto Ilustração: PixaBay