Argentina e o resultado da ofensa ao Estado de Israel

Justiça divina não vem a carruagem, vem de caça F16 ou F35. Apenas duas semanas antes, cedendo as pressões dos palestinos, os argentinos tentaram envergonhar o Estado de Israel, recusando-se participar do amistoso que já havia sido marcado entre as seleções. O motivo para o cancelamento foi simplesmente político, diria até mesmo anti-semita, não queriam que o jogo fosse em Jerusalém, a Capital de Israel.

Um dos líderes palestinos, Jibril Rajoub que é conhecido como “ministro do esporte” palestino convocou os palestinos a queimar as camisas da seleção da Argentina, agindo como mafioso.

Além disso, os palestinos fizeram protestos mostrando camisetas da Argentina com tinta vermelha ameaçando Messi e sua família de atentado. Infelizmente as ameaças dos palestinos acabaram influenciando a decisão de cancelar o jogo. A Argentina, um país cristão gigante da América do Sul, preferiu virar as costas contra o Povo de Israel, os Judeus, detentores dos oráculos de Adonai, e ceder as preços dos adoradores de Allah e Maomé.

As Escrituras Sagradas nos revelam que aqueles que se opõe ao Povo de Israel são amaldiçoados, e aqueles que os abençoam, são abençoados. A minha esperança é que a Argentina tenha aprendido a lição com sua derrota, pois o orgulho argentino é quem leva este país para o buraco.

A Ministro da Cultura e Esportes Miri Regev criticou a Argentina

A Ministro da Cultura e Esportes Miri Regev publicou um post na sexta-feira em que ela criticou a equipe da Argentina, ela disse que “a bola(globo da Terra) é redondo, quem se mete com o povo de Israel certamente desaba”, o post foi publicado logo após o resultado infeliz da Argentina e fala também sobre a Parasha Hukat.

A seleção da Argentina cancelou sua chegada a Israel na véspera da Copa do Mundo e foi derrotado pela Croácia na quinta-feira por 3 X 0, e corre o risco de não participar do segundo turno da fase de grupos.