Atentado no Irã: 41 Mortos

A situação no Irã está cada vez mais instável, enquanto a república islâmica financiava os yemenitas contra a Arábia Saudita, esta financia terroristas paquistaneses contra a ditadura, o resultado é morte para todos os lados.

41 pessoas morreram nesta quarta-feira em um ataque suicida no sudeste da República Islâmica, dirigida contra o ônibus que levava os soldados da Guarda Revolucionária do Irã. A agência de notícias Fars do Irã informou que haviam dezenas de vítimas, mas nenhum número exato foi informado.

O ataque foi realizado entre as cidades de Zahedan e Lhas, região instável perto da fronteira com o Paquistão, onde muitas vezes operam milícias militares e traficantes de drogas. Dez membros da Guarda Revolucionária ficaram feridos.

O ataque atingiu um ônibus com 40 soldados, a Guarda Revolucionária disse que um caminhão carregado de explosivos foi detonado assim que o ônibus estava passando. Segundo relatos, o ataque foi aparentemente realizado por separatistas sunitas da região do Baluquistão.

No final do mês passado e no início deste mês foram realizados mais três ataques terroristas que mataram vários soldados do exército iraniano e feriu vários membros da Guarda Revolucionária. O número de ataques aumentou significativamente desde o aperto das sanções ao país pelos Estados Unidos.

Os dois principais centros de resistência sunita estão na província iraniana de Ahvaz, no sul Baluchistão e no leste de Sistan, a cidade Zehdan na tripla fronteira Irã-Paquistão-Afeganistão).

No início deste ano, os membros da “justiça militar” realizaram um golpe doloroso para o Irã, quando sequestraram 14 soldados iranianos e os levou para o Paquistão, onde há uma concentração significativa de apoiantes da organização.

Como parte das negociações entre os lados, cinco reféns foram libertados e os outros ainda estão nas mãos dos separatistas. O Irã acusa a Arábia Saudita de financiar as organizações e os ataques.