Atentados na França são sintoma de guerra de civilizações

Curso Herança Judaica do Novo Testamento
Aleppo na Síria - Guerra de Civilizações

Equanto a civilização ocidental formada por princípios cristãos e judaicos avançou rumo aos princípios da democracia, liberdade de expressão e tolerância, do outro lado do Mundo, ou melhor no Oriente Médio, a sociedade escravisada e pobre durante séculos cresceu com princípios totalmente contrarios.

A teologia satânica anunciada pelos califas medievais incluia o uso da força como arma de conversão, o uso do domínio econômico como forma de persuadir, e a crueldade como forma de esmagar aqueles que simplesmente pensam diferente do islamismo.

No século VII quando Maomé iniciou sua jornada sangrenta de difusão da fé, ele que não tinha como financiar sua campanha militar, começou massacrando a comunidade judaica na península arábica, roubando toda a sua riquesa e proclamando sua fé como uma reforma a idolatria cristã do pós império bizantino.

O resultado não podia ser outro, mais de um milênio de ódio entre muçulmanos, judeus e cristãos que se tornaram rivais implacáveis. Infelizmente a rivalidade não cessou em nenhum momento, ao contrário, somente cresceu.

Durante o império bizantino os judeus eram massacrados no oriente médio por não se converterem ao cirstianismo, os samaritanos praticamente foram exterminados e os árabes aderiram ao cristianismo na Terra Santa, até que veio o maometismo, ou seja, o islamismo.

No pós império bizantino, com a chegada no islamismo, os cristãos começaram a ser massacrados e vilarejos inteiros de cirstãos e judeus foram passados a espada de Maomé por simplesmente serem considerados “infiéis”.

Esta era a hora em que os filhos de Ismael estavam quase esmagando os filhos de Israel, o movimento muçulmano chegou a Jerusalém no ano de 637 EC edesde então, até a fundação do Estado de Israel, simplemente esmagaram a população cristão e judaica do país e destruiram suas cidades.

Os cristãos por sua vez conseguiram manter a soberania somente por um curto periodo de tempo, menos de 100 anos, durante as cruzadas, mas com um preço de sangue muito alto e com pragas terríveis na Europa, mas cedo ou mais tarde tiveram que recuar.

Era de se imaginar que com a conquista árabe na região do Oriente Médio as coisas viessem a se acalmar, mas o imperialismo muçulmano não pode se conter e conquistou até mesmo a península ibérica, permanecendo alí por cerca de 700 anos.

A forma cruel em que os muçulmanos se tornaram praticamente os “donos do mundo” criaram um verdadeiro abismo entre as civilizações, este abismo por sua vez se manifesta até os dias de hoje, pois o sonho de tornar o islamismo uma religião universal pela força é apregoado até hoje em todas as mesquitas do Mundo.

Pessoas que dizem que o islamismo é uma religião paz não têm a menor noção sobre a religião de que estão falando, afinal de contas, o islamismo não é uma religião onde se prega a conversão por amor, mas sim pela força. Nele não se ensina a amar o próximo e a tolerância, se ensina a odiar tudo que não é muçulmano.

O que vemos hoje em Israel e na França não se trata de uma guerra e luta por questões territoriais, mas sim por questões existenciais. Enquanto não haver um processo de mudança no pensamento e na filosofia islâmica básica, cada muçulmano no Mundo continuará a crer que seu dever de cumprir as órdens do profeta Maomé são mais importantes do que o direito a vida e a liberdade dos outros.

Isto é na realidade uma verdadeira guerra existencial entre civilizações, e o pior, enquanto as nações “cristãs” continuarem a crer que a tolerância é a chave para combater o imperialismo muçulmano, o sangue dos inocentes continuará a ser derramado nas ruas, nas praças, nos edifícios e por todo lugar.

Acordem Países do Ocidente!!!