Aumenta a Crise Imobiliária em Israel

Uma das bandeiras levantadas nas grandes manifestações sociais em Israel há dois anos atrás foram o custo de vida e a crise imobiliária. O primeiro, nada mudou, continua alto, mas perto do Brasil, a situação está boa, visto que os salários em Israel de uma forma geral são bem mais altos.

Quanto a crise imobiliária, apesar das tentativas do governo e das empresas tentarem fazer algo para baixar os preços de imóveis, nada consegue realmente fazer o preço dos imóveis descer, afinal exitem alguns fatores que não podem mudar, pelo menos a mudança não pode ser vista no horizonte próximo, o primeiro é o grande número da população na região, são cerca de oito milhões de pessoas vivendo em um território que é cerca da metade do Estado do Rio de Janeiro, o segundo fator é o fato do país sofrer com questões de segurança, o que eleva a taxa de imposto para suprir as necessidades financeiras das Forças de Defesa de Israel.

Muitos entre os casais jovens de até quarenta anos sonham com imóveis próprios, mas a possibilidade de alcançarem é bem pequena, afinal de contas, quem pode entrar em uma aventura na compra de um imóvel que custo em média de 350.000 dólares de apenas dois quartos, sala, cozinha e banheiro? Em regiões como em Tel Aviv, este preço pode chegar facilmente a um milhão de dólares dependendo da localização.

Além do alto preço do imóvel, o Governo de Israel, com medo de ocorrer o mesmo que aconteceu nos EUA durante a última crise financeira, elevou a participação mínima na entrada, e hoje um casal que deseja financiar sua casa própria deve ter em mão nada menos de 350.000 shekels, ou seja, cerca de 100 mil dólares.