Conflito Turquia e Curdos continua

A televisão estatal síria informou que as forças militares de Assad foram destacadas na cidade curda de Nabaj, norte da Síria. Enquanto isso, a revista Newsweek dos EUA informou anteriormente que as forças americanas estavam transferindo ordenadamente os territórios que estavam deixando no norte do país para os russos, que foram contados até alguns dias atrás com seus grandes rivais na guerra na Síria. “Os americanos ajudaram as forças russas a navegar na área rapidamente”, disse uma autoridade do Pentágono à revista. No entanto, ele observou que os americanos estão deixando a área rapidamente e não informarão os russos.

As forças americanas na Síria anunciaram que estavam deixando a cidade curda de Nabaj, no norte de Israel, depois que a mídia síria informou que o exército de Assad havia entrado. Um porta-voz das forças americanas disse: “As tropas começaram com um recuo suave do nordeste da Síria. Saímos de Manabaj”.

Alexander Lavrentiev, enviado do presidente russo Vladimir Putin à Síria, disse à agência de notícias russa “Interfax” que a operação turca no norte da Síria é inaceitável para Moscou e enfatizou que não era compatível com a Rússia anteriormente. Ele acrescentou que a Rússia era o mediador entre curdos e sírios em um acordo entre as partes. Antes, os meios de comunicação na Rússia informaram que as forças militares de Assad estavam no controle total da cidade de Manjab, no norte da Síria. Enquanto isso, também foi relatado que as forças militares russas estão em total coordenação com o exército turco localizado na cidade.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, se referiu às sanções dos EUA impostas ao seu país após a operação militar que a Turquia lançou no norte da Síria, dizendo que “continuaremos a operação até atingirmos todos os objetivos”. Ontem, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que logo imporia sanções à Turquia e até ameaçou “destruir sua economia”.

A Comissão de Direitos Humanos da ONU alertou a Turquia de que ela pode ser responsabilizada pelas execuções curdas em violação ao direito internacional. A Comissão declarou que estava coletando informações sobre os dois casos documentados e instando a Turquia a iniciar investigações independentes sob suspeita de cometer crimes de guerra.