Flávio Josefo, um historiador ou traidor?

Yosef ben Matityahu (grego: Ιώσηπος, Josephus , ou por seu nome romano: Titus Flavius ​​Iosephus (latim: Titus Flavius ​​Iosephus, também é conhecido na forma de raiz distorcida: Josephus Flavius). Flávio Josefo viveu entre 37 ou 38 EC até cerca de 100 EC.

Flávio Josefo foi um historiador, escritor e general judeu durante a Grande Revolta, durante a qual foi capturado pelos romanos em Yodfat. Apesar disso, conquistou a simpatia dos imperadores da dinastia Flaviana, Vespasiano e seu filho Tito, que lhe concederam a ele a cidadania romana e a residência em Roma, onde viveu durante a segunda metade de sua vida. Ao receber a cidadania romana de Tito, o nome de seu patrono tornou-se “Titus Flavius ​​Josephus”.

Seus quatro livros que escreveu em Roma na língua grega foram preservados por gerações na sua totalidade, uma ocorrência bastante rara entre os escritores da antiguidade, a maioria de cujas obras se perderam. Isso se deve ao valor agregado que seus escritos “A Guerra dos Judeus” e “Antiguidades Judaicas” tiveram para a teologia cristã, o que também influenciou a preservação do restante de seus escritos até hoje. Ao contrário da igreja, a tradição rabínica não incluía seus escritos e um renovado interesse judaico por eles surgiu apenas no século XIX.

A história de Flávio Josefo é um drama histórico, onde ele passou de inimigo dos romanos para aliado. De alguém que os odiava, para alguém que passou a admirar o estilo de vida luxuoso de Roma as custas dos povos menos favorecidos. Por séculos a única coisa que se ouvia dos judeus a respeito de Josefo era o desprezo por trair seu povo e virar as costas para ele. Josefo tentou em sua auto-biografia amenizar a perspectiva judaica de suas decisões, mas somente no final do Século XX é que o Povo de Israel conseguiu compreender que seus relatos se tornaram muito mais importante do que suas atitudes. Eles imortalizaram o sofrimento de seu povo e a sua luta pela liberdade.

Em seu relado em Guerra dos Judeus, especificamente na Conquista Romana de Yodfat, ele revela o dilema de sua vida e a decisão de se entregar e ser escravo ou morrer em liberdade. Este conflito aparece em diversos relatos, mas principalmente nos cercos de Yodfat, Gamla e Massada.

Além disso, os relatos de Flávio Josefo são de extrema importância para a compreensão da história e da pesquisa arqueológica. Sem eles, muitas e importantes descobertas jamais teriam sido feitas ou compreendida. Flávio Josefo parece ter um problema com exagero dos números que cita, mas isto de forma alguma invalida os relatos minuciosos dos conflitos e dos locais por ele citados em suas obras.

Se desejamos entender melhor tudo que ocorreu em Israel desde a antiguidade, não há dúvidas que uma leitura cuidadosa de suas obras nos ajudará em muito nesta difícil tarefa.

Desde Sião, Miguel Nicolaevsky

1 comentário em “Flávio Josefo, um historiador ou traidor?”

Os comentários estão encerrado.