Fracasso em Negociações de Paz Poderá Levar a Novo Conflito

Curso Herança Judaica do Novo Testamento

Hoje, 04-04-2014, foi anunciado pelos meios de comunicação de Israel o fracasso nas negociações de PAZ entre Israel e Palestina. Os palestinos exigem a libertação de mais de 1200 terroristas e o compromisso de Israel de que Jerusalém Oriental seria a futura capital do futuro “Estado Palestino“, o que é inaceitável por parte de Israel visto que Jerusalém Oriental inclui a Cidade Velha de Jerusalém, e esta inclui o Monte do Templo e o Muro das Lamentações.

O Estado de Israel vem realizando esforços constantes afim de melhorar as relações com os palestinos que vivem nos territórios da Judeia e Samaria. Abu Mazen, Mahmoud Abbas vinha sendo considerado pelos políticos e a mídia em Israel como o líder mais moderado entre os palestinos e talvez o único capaz de chegar a um acordo de PAZ com o Estado de Israel. Os politicos de extrema direita por sua vez disseram nunca acreditar realmente em Mazen, que agora têm se mostrado incapaz de ir adiante e de ceder um milimetro das posições palestinas tradicionais.

Jerusalém, Uma Pedra Pesada Para Todos os Povos

Quem não já ouviu esta expressão bíblica? Pelo visto os palestinos não ouviram, pois o Povo de Israel e os Governantes de Israel serão incapazes de ceder quanto a Jerusalém, nos 2000 anos de disápora judaica da Terra de Israel, ninguém cuidou da Cidade Santa. Os Ramanos destruíram o Templo de Jerusalém, os Cristão assassinavam os judeus na Terra Santa e confiscavam suas terras, os muçulmanos não ficavam atrás e ainda por cima, construíram duas mesquitas sobre os escombros do Templo de Jerusalém, tudo isto, para eliminarem a identidade de Israel com sua Terra, agora o Povo de Israel não abrirá mais mão de Jerusalém.

Como está escrito nas Escrituras Sagradas, “Jerusalém se assentará em segurança”.

A Caminho de Mais Uma Onda de Violência na Terra Santa

Segundo as entrevistas dos meios de comunicação em Israel com oficiais das Forças de Defesa de Israel, a situação em campo é preocupante, desde a libertação da primeira onda de terroristas, vem crescendo o número de gangues terroristas que intencionam contra o Estado de Israel e o povo israelense.

Nos últimos meses, o número de prisões e operações para impedir atentados tem crescido exponencialmente mesmo debaixo de negociações de paz entre israelenses e palestinos. Segundo os oficiais, se nenhum acordo for concluido, em breve a situação se tornará explosiva, pois é bem provável que os palestinos partam para a opção da violência como meio de conquista.

Apesar do futuro breve ser um tanto obscuro, os oficiais em campo declaram que as Forças de Defesa de Israel já vem treinando com a possibilidade de uma nova intifada palestina, ou seja um novo conflito armado com os palestinos.

Bloqueio Durante as Festas Judaicas

Os vilarejos árabes estarão sitiados durante as festas judaicas para garantir aos israelenses a liberdade de celebrar a Páscoa Judaica chamada de Pessach em Israel, o motivo é porque os palestinos já se aproveitaram em diversas oportunidades em festas judaicas para realizarem atentados contra a nação de Israel.

Em 2002 um terrorista palestino entrou em uma celebração familiar no Hotel Park em Netanya e acionou um explosivo no meio do salão onde estavam todos os familiares, o resultado foi trágico, morreram imediatamente 28 pessoas, 140 pessoas ficaram feridas, entre elas, 20 mutiladas.

Este foi um atentado terrível e jamais esquecido em Israel, ele ocorreu na noite da Páscoa judaica de 2002.

Jerusalém Não é Santa Para Muçulmanos

No al-Corão o nome da Cidade Santa, Jerusalém, não aparece nenhuma vez, ao invéz disto aparece somente a expressão “o santurário distante”, como os muçulmanos sabiam o nome do local, concluíram que se tratava de Jerusalém. Jerusalém nem mesmo é chamada pelos muçulmanos de Jerusalém, mas sim de Al-Kuds.

Duas Cidades Santas Para os Muçulmanos

Ao invéz de Jerusalém, existem duas cidades santas para os muçulmanos, as cidades de Meca e Medina, ambas estão na Arábia Saudita, a “santidade” de Jerusalém para os muçulmanos é muito menor do que destas cidades.

A dura realidade é de que os muçulmanos “exigem” Jerusalém somente por inveja e por desejo de que ela não esteja nas mão do povo de Israel, porém, as Escrituras Sagradas, a Bíblia são o documento mais antigo que comprova de que não somente Jerusalém, mas toda a Terra foi entregue por Adonai como herança para o seu Povo, o Povo de Israel.