Israel Celebra o Centenário da Declaração de Balfour

Na chamada Declaração de Balfour, de 2 de novembro de 1917, o governo britânico deu aos representantes do movimento sionista apoio para a constituição de uma “pátria nacional” judaica na Terra Santa que então era chamada de Palestina por causa dos romanos que queriam apagar e origem judaica da região.

A Declaração Balfour, de 1917, dispõe que o Governo de sua Majestade Britânica vê com simpatia o estabelecimento de um lar nacional para o povo judeu na Palestina. Baseado nessa declaração, a Sociedade das Nações outorgou aos britânicos um Mandato para a Palestina em 1922. O fim do Mandato veio com uma decisão da Assembléia Geral da ONU, a Resolução 181, adotada em novembro de 1947.

Essa resolução também estipulou o estabelecimento de dois estados, um judeu e outro árabe, no território do Mandato.

Os árabes rejeitaram a resolução e, para que não fosse implementada, cinco países iniciaram uma guerra ainda antes da retirada dos britânicos. Foi em pleno curso dessa guerra, no dia em que terminava o Mandato e os últimos britânicos se retiravam, que David Ben Gurion leu a Declaração que estipulava “o estabelecimento de um Estado Judeu em Eretz Israel (a terra de Israel), com o nome de Estado de Israel”.

A Declaração da Independência define explicitamente que o Estado de Israel permanecerá aberto para a imigração judaica e para o regresso dos exilados. Sob esse princípio, a Lei do Retorno estabelece o direito de qualquer judeu de se assentar em Israel, traduzindo essa declaração basilar na linguagem legal, e propiciando sua implementação.

Hoje, enquanto os árabes continuam chorando o fato de nunca terem aceitado a decisão da ONU e não haver nenhum estado palestino até o dia de hoje, o Povo de Israel já estará completando em Abril do próximo ano, 70 anos desde a sua fundação. Isto é verdadeiramente uma lição para todos que relutam a aceitar más condições e transforma-las em vantagem. O povo de Israel estaria espremido em um país pequeno, mas a rejeição dos árabes permite a expansão através das últimas décadas, do Estado de Israel.

Conteúdo da Declaração de Balfour

Ministério do Exterior
2 de novembro de 1917

Querido Lord Rothschild,

Tenho muito prazer em transmitir-lhe, em nome do Governo de Sua Majestade, a seguinte declaração de simpatia com as aspirações sionistas judaicas que foi submetida e aprovada pelo Gabinete.

“O governo de Sua Majestade vê com favor o estabelecimento na Palestina de uma casa nacional para o povo judeu e irá fazer todo o possível para facilitar a realização deste objetivo, entendendo-se claramente que nada será feito que possa prejudicar os direitos civis e religiosos direitos das comunidades não-judaicas existentes na Palestina, ou os direitos e status político de que gozam os judeus em qualquer outro país “.

Eu deveria estar agradecido se você trouxesse esta declaração ao conhecimento da Federação sionista.

Atenciosamente,
Arthur James Balfour

Exatamente conforme está descrito nas Escrituras Sagradas, a nação de Israel nasceu em um só dia, e o Povo de Israel se prepara para grandes comemorações neste próximo 2018.

Parabéns para o Estado de Israel!