Kibutz

O Kibutz é sem dúvida alguma um dos mais antigos agromerados populacionais de Israel na era moderna, os primeiros kibutzim(plural de kibutz) foram fundados a cerca de 100 anos e fora peça chave no desenvolvimento do interior de Israel, bem como uma excelente base para indústria moderna do país.

Um kibutz (hebreu: קיבוץ; plural: kibutzim: קיבוצים, “reunião” ou “juntos”) é uma forma de colectividade comunitária israelita. Apesar de existirem noutros países empresas comunais (ou cooperativas), em nenhum outro país as comunidades colectivas voluntárias desempenharam um papel tão importante como o papel dos kibutzim em Israel; os kibutzim tiveram um papel essencial na criação de Israel.

Combinando o socialismo e o sionismo no sionismo trabalhista, os kibutzim são uma experiência única israelita e parte de um um dos maiores movimentos comunais seculares na história. Os kibutzim foram fundados numa altura em que a lavoura individual não era prática. Forçados pela necessidade de uma vida comunal e inspirados pela sua ideologia socialista, os membros do kibutz desenvolveram um modo de vida comunal que atraiu interesse de todo o mundo. Enquanto que o kibutzim foram durante várias gerações comunidades utópica, hoje, eles são pouco diferentes das empresas capitalistas às quais supostamente seriam uma alternativa. Hoje, em alguns kibutzim há uma comunidade comunitária e são adicionalmente contratados trabalhadores que vivem fora da esfera comunitária e que recebem um salário, como em qualquer empresa normal.

Os kibutzim deram a Israel uma parte desproporcionalmente importante dos seus líderes intelectuais, políticos e militares. Apesar de o movimento dos kibutz nunca ter excedido 7% da população de Israel, ele poderá ter contribuido para fundar uma identidade cultural ao pais como poucas instituições em Israel.

Historicamente com a colonização do Estado Israelense, criado pela ONU em 1948, os kibbutzim também exerceram um importante papel estratégico militar quando dos primeiros conflitos árabes-israelenses, funcionando como verdadeiras bases avançadas, com colonos com treinamento militar e armas combatendo exércitos inimigos até uma intervenção do Tzáhal (Exército israelense).

Nos últimos anos, estas colônias agrícolas socialistas, onde tudo até então era bem comum, começaram a passar por um longo processo de privatização, e muitos deles são hoje grandes negócios.

Os kibutzim mais próperos na atualidade são Kibutz Maagan Michael, Sasa, Bar-Am, Yakum, Shefaim, Einat, Baabarot, Haogen e etc.

Moshav

Os moshavim(plural de moshav) são completamente diferente dos kibutzim, e muita gente desinformada acaba achando que se trata da mesma coisa, porém em essência são completamente diferentes.

O moshav na realidade é fruto de uma espécie de comunidade de pessoas que se juntam afim de formar uma comunidade que em sua essência têm o caráter agrícola, porém, de forma privada.

Muitas famílias se unem afim de formar uma comunidade e as terras são compradas inicialmente de forma cooperativa, porém, após este período, todos os novos moradores compra suas terras de forma individual.

O governo por sua vez exige que uma menor parte das terras sejam utilizadas para moradia e a maior parte do terreno seja utilizada para a área agrícola, em hebraico, Bait veMeshek, ou seja, Casa e Horta.

Os moshavim se estendem por todo país, desde Eilat até Dan, ou seja do extremo sul ao extremo norte, e todos são privados, cada indivíduo é dono de sua própria possessão, porém até bem pouco tempo, a construção para fins imobiliários em terra agrícolas estava bem restrita por lei, fato que vem mudando nos últimos tempos por falta de áreas para os grandes projetos imobiliários principalmente na região central do país.

Em apenas um moshavim é possível encontra muitas fazendas agrícolas, bem como pequenos negócios, pequenas indústrias, porém, a formação de tais depende da aprovação coletiva do mesmo em assembléia e do respeito as regras de conduta de cada moshav.

Um dos moshavim mais famosos que existem é o Moshav Ben Shemen que fica localizado próximo ao aeroporto Ben Gurion e conta com a presença de muitos artistas, bem como uma escola agrícola em forma de internato e uma agência da Faculdade Tecnológica do Technion de Haifa.

Um outro moshav bem peculiar é o moshav Ein Hod que fica localizado ao pé do Monte Carmelo, cerca de 10 quilômetros ao sul de Haifa. A maior parte de seus moradores são artistas e artesãos que costumam abrir suas residências constantemente a visitação, o que torna o moshav como uma grande galeria de artes.