Mais um milagre de Hanukkah: Fábrica de lâmpadas descoberta na Judéia

Moldes de pedra usados ​​para fazer as lâmpadas e um grande número de modelos de cerâmica, com cerca de 1700-1600 anos, foram descobertos nos últimos meses em escavações pela Autoridade de Antiguidades de Israel, com a participação de dezenas de jovens e alunos de escolas preparatórias pré-militares. A grande escavação arqueológica foi conduzida antes da construção de um novo bairro pelo Ministério da Construção e Habitação – Distrito de Jerusalém na cidade de Beit Shemesh na Judéia.

A descoberta das lâmpadas de barro, usadas para iluminar na antiguidade, surpreendeu os arqueólogos não só pela quantidade e beleza, mas também pela solução de um mistério arqueológico a elas associado:

Em 1934, o arqueólogo Dimitri Bramakhi, então inspetor da Divisão de Antiguidades Obrigatórias, descobriu uma cisterna na área de Beit Shemesh e hoje. Em uma escavação que fizeram em um poço, ele descobriu, para sua surpresa, um antigo tesouro; Uma enorme quantidade de lâmpadas de óleo, descobertas em sua totalidade, trazendo sobre elas ornamentos de animais e plantas e formas geométricas. As lâmpadas, que datam do período romano tardio (séculos III-IV DC), foram posteriormente chamadas de “velas Beit Natif”, em homenagem ao antigo assentamento que ali existia, e tornaram-se uma espécie de marca muito importante na pesquisa arqueológica.

Junto com as próprias lâmpadas, Baramaki descobriu moldes de pedra nos quais enram criadas as lâmpadas, e uma grande variedade de modelos de barro (estatuetas), nas figuras de animais e cavaleiros, mulheres e pássaros.
Após a descoberta das lâmpadas durante o Mandato, o local foi esquecido, bem como a localização do poço, que serviu como uma oficina para algumas das maiores quantidades de lâmpadas e estatuetas descobertas na Terra de Israel, então, elas permaneceram um mistério, apesar das tentativas de localizá-las.

“Como parte do plano de desenvolvimento da cidade de Beit Shemesh, inspecionamos uma área na borda do local Beit Natif”, disseram os gerentes de escavação, Moran Balila, Itai Aviv, Nicholas Bennstein e Omer Shalev.

“Na inspeção, identificamos uma cisterna de água semelhante às existentes na região. Mas, para nossa surpresa, em uma escavação que fizemos perto da cisterna, começaram a aparecer lâmpadas de barro, moldes de pedra e um grande número de estatuetas”.

Quando os pesquisadores desceram para dentro da cisterna de água, que permaneceu intacta, eles ficaram surpresos ao ver que era familiar para eles pelas fotos que apareciam nas conhecidas publicações de Bramaki. Os

O poço de lâmpadas de Beit Natif ressuscitou!” Dizem os arqueólogos. “Nossa empolgação foi grande, pois não se trata apenas de uma descoberta arqueológica, importante em si mesma, mas diante de nós uma verdadeira história arqueológica”.

“As estatuetas e modelos das lâmpadas da área de Beit Natif contam a história da planície da Judéia no período após a revolta de Bar Kochba”, explica Benjamin Storchen da Autoridade de Antiguidades de Israel, um pesquisador das velas Beit Natif. “Pelas Cartas de Josefo Flávio, sabemos que nos dias do Segundo Templo, Beit Natif era a capital de um distrito – uma das 10 principais cidades do governo asmoneu.

Com o fracasso da revolta de Bar Kochba e a vitória dos romanos, isso é evidenciado pelas muitas estatuetas expostas no local. Ao mesmo tempo, símbolos judaicos distintos podem ser encontrados nas velas de barro, como o shofar, mitsvá e menorá, e estes – falam da vida judaica que continuou a existir na planície da Judéia apesar do fracasso da revolta: é claro que o fabricante de lâmpadas fez essas lamparinas. “Ainda havia demanda na região. Nesse período, o cristianismo também começa a se cristalizar, e no complexo as lâmpadas também tem peixes, que são um dos símbolos do cristianismo. Da variedade de velas e estatuetas, portanto, pode-se concluir que aqui viviam uma população mista.”

“Hanukkah é uma oportunidade maravilhosa de contar ao público sobre a inauguração do castiçal, o meio usual de iluminação nos tempos antigos”, dizem os arqueólogos. Dada a importância do achado e do local, a Autoridade de Antiguidades e o Ministério da Construção e Habitação terão o cuidado de preservar o local e apresentá-lo como parte de um grande parque arqueológico que será aberto ao público.

Fonte e imagens: Autoridade de Antiguidades de Israel

1 comentário em “Mais um milagre de Hanukkah: Fábrica de lâmpadas descoberta na Judéia”

  1. Sou apaixonada por história principalmente sobre Israel,, meu sonho era visitar essa terra santa,mais agora esse sonho foi roubado,parabéns ao canal e aos arqueólogos? linda matéria!

Os comentários estão encerrado.