Monte Carmelo e Haifa

O Monte Carmelo é na realidade uma cordilheira de montanhas que limita suas importantes regiões em Israel, a planície de Sharon e a planície de Zebulon, é um limite natural das cidades litorâneas e a região da Baixa Galiléia.

O Monte Carmelo foi o importante cenário da famosa batalha entre os 400 profetas de Baal e o Profeta Elias que após um milagre divino pediu ao povo para executar todos os apóstatas de Israel, purificando o povo de suas idolatrais e da bruxaria que haviam sido instauradas por Jesabel, a esposa fenícia (Cananéia) do Rei Acabe.

O Monte Carmelo não deve ser confundido com a cidade de Carmelo ou Carmel que é citado na história do encontro entre Davi e Abigail que se tornou sua esposa após a morte de seu marido, esta Carmel fica localizada na região da Judeia não muito distante de Hebron.

Cafetorah têm o prazer de apresenta o primeiro mapa da cidade de Haifa, no norte do país, totalmente em português. Suas principais ruas, parques, metrô e áreas de lazer. Todos os direitos estão reservados ao site Cafetorah.com e a Minarts Compania de Design em Israel. A reprodução e cópia é proibida pelas leis internacionais dos direitos autorais. A impressão para uso pessoal é permitida.

Reserva Natural e Parque Nacional Hai Bar Carmel

Hai Bar Carmel abrange cerca de 1.500 hectares, no coração do “Monte Carmelo, Pequena Suíça.” Se pudéssemos voltar no tempo, gostaríamos de descobrir no Monte Carmelo um mundo de coisas vivas que é diferente do que vemos hoje: panteras, veados, colônias de abutres, abutres egípcios, falcões, javalis e muitas espécies de corujas já habitaram a área. Eles tornaram-se extintos no Monte Carmelo, devido à caça, o desmatamento e as intoxicações. Na década de 1960, o falecido general Uri tzon e Avraham Yoffe estabeleceu uma organização pública chamada Hai Bar, com o objetivo de restaurar a vida selvagem de Israel.

O processo de preservação tem várias fases: começa com um núcleo de reprodução (incentivando os animais a reprodução), continua com a aclimatação, e termina com a liberação dos animais para espaços livres. No Hai Bar Carmelo, os visitantes podem apreciar os detalhes desta história emocionante e ver carneiro selvagem armênio, falcões, persa gamos, veados, urubus e outras aves de rapina. Hai Bar oferece visitas guiadas nos sábados em hebraico às 10 horas da manhã, e as 14:00 hs sem custo.

Como chegar:

Hai Bar Carmel está localizado a 300 metros ao sul da entrada do campus da Universidade de Haifa, na estrada 672 Isfiya-Haifa, no trevo em frente Ha’arba’im.

Horários: Apenas nos sábados: 8:00-16:00
Última entrada uma hora antes do fechamento
Tel. 04-832-0648
Entrada: carro: 33 shekels. Microônibus: 110 shekels. Ônibus: 220 shekels.

Moshav Peculiar no Monte Carmelo

Um outro moshav bem peculiar é o moshav Ein Hod que fica localizado ao pé do Monte Carmelo, cerca de 10 quilômetros ao sul de Haifa. A maior parte de seus moradores são artistas e artesãos que costumam abrir suas residências constantemente a visitação, o que torna o moshav como uma grande galeria de artes.

Incêndios no Monte Carmelo

É um tanto comum ocorrerem incêndios na região do Monte Carmelo, principalmente nos dias de verão e por causa da escassez de humidade neste período, mas o principal dos fatores é o terrorismo de incêndios praticados algumas vezes pelos árabes ou o descuido de turistas passeando na região que às vezes não têm o devido cuidado ao apagar suas fogueiras ou gris de churrascos.

Em 2010 ocorreu o maior incêndio da história do Monte Carmelo registrado até agora, em poucas horas 42 pessoas morreram por causa das chamas e em menos de 12 horas 17.000 moradores tiveram que desocupar suas casas por causa do risco de vida.

A cobertura completa sobre o incêndio no Monte Carmelo pode ser lida aqui.

Para acessar clique aqui:
https://cafetorah.com/haifa.htm

Haifa

 

mapa-haifa-webHaifa é mencionada pela primeira vez em torno do século III da era cristã como uma pequena cidade perto de Shikmona, a principal cidade judaica na região daquela época e um centro industrial para fazer o corante Tekhelet(azul claro) que era tradicionalmente utilizado para os mantos(talit)de sacerdotes judaicos do templo.

O sítio arqueológico de Shikmona nos dias de hoje está situado no sudoeste do moderno bairro Galim Bat.

Haifa desde o Monte Carmelo

Haifa desde o Monte Carmelo

O Império Bizantino, que governou até o século VII, quando a cidade foi conquistada – primeiro pelos persas, em seguida, pelos árabes. No anos de 1100, foi novamente conquistada pelos cruzados após uma batalha sangrenta contra os seus habitantes judeus e muçulmanos.

Sob o domínio dos cruzados, a cidade era uma parte do Principado da Galiléia até que os mamelucos muçulmanos capturaram-na no ano de 1265.

O Porto de Haifa desde o Monte Carmelo

O Porto de Haifa desde o Monte Carmelo

Em 1761 Daher El-Omar, líder beduíno do Acre e da Galiléia, destruiu e reconstruído-a novamente em um novo local, cercando-o com um muro. Este evento é marcado como o início da era moderna da cidade. Após a morte de El-Omar, em 1775, a cidade caiu sob o domínio otomano até 1918, com exceção de dois breves períodos. Nos anos seguintes, Haifa cresceu em termos população, tráfego e importância, ao mesmo tempo que Akko sofreu um declínio.

Templo Bahaii em Haifa

Templo Bahaii em Haifa

O desenvolvimento da cidade aumentou com a chegada da Ordem dos Templários(protestantes alemães), em 1868, que estabeleceram um bairro moderno, conhecida como a Colônia “Alemã”. Os Templários contribuiram grandemente para o comércio e a indústria, desempenhando um papel importante em sua modernização.

Durante o período otomano a cidade pertencia a província de Damasco e estava ligada a capital síria atual por uma estrada de ferro que esteve em atividades mesmo no perído do Mandato Britânico cujos trilhos ainda podem ser vistos no Kibuz Yagur não muito distante dali.

Haifa desde o Monte Carmelo

Haifa desde o Monte Carmelo

Haifa foi capturada novamente pelos ingleses no começo do século XX das mãos dos otomanos e se rendeu a Israel durante a Guerra da Independência de Israel em 1948.

No começo do século XX, Haifa tinha se tornado uma cidade portuária e centro industrial com constante crescimento populacional, o que refletia na criação de grandes estruturas ferroviaria de Hejaz e Technion.

Naquela época Haifa foi o lar de cerca de 20.000 habitantes, composta de 82% de muçulmanos árabes, 14% de cristãos árabes, e 4% de judeus. A população judaica aumentou de forma constante com a imigração principalmente da Europa, e em 1945 a população havia mudado para 38% muçulmanos, 13% cristãos e 47% de judeus.

Haifa desde o Monte Carmelo

Haifa desde o Monte Carmelo

Nos dias de hoje a cidade é o lar de populações significativas de judeus, muçulmanos e árabes cristãos, Ahmadis (em Kababir), drusos (em Daliyat al-Carmel), bahá’ís, e outros, e tem sido muitas vezes caracterizada como um mosaico da convivência pacífica entre as diferentes etinías e religiões. Ao norte existe uma grande região industrial, onde estão duas refinarias de petróleo, e um centro de alta tecnologia na região sul com um grande número de empresas israelenses e internacionais, incluindo Intel, Elbit, Zoran , Microsoft, Philips, Google e Amdocs e o laboratória da IBM em cima do Monte Carmelo, na Universidade de Haifa, a HP tem um laboratório no Technion, a principal universidade tecnológica de Israel.