Nova quarentena em Israel e a inquietação popular

O Governo de Israel, em seu conselho de combate a crise do Coronavírus, aprovou ontem a noite uma série de restrições novas, afim de conter mais uma vez o crescente número de contaminados no país. Mas muitos já não estão aguentando a crise e se rebelando contra o sistema.

Nas últimas 24 horas, mais de 1500 novos doentes foram confirmados, e a cada semana, os números aumentam cada vez mais.

Por causa das constantes mudanças nas diretrizes, há quem esteja agitando e convocando a população a se revoltar contra as diretrizes. Na última semana, os protestos contra a crise estão ocorrendo todos os dias em frente a residência do primeiro ministro, Benjamin Netanyahu, em Jerusalém.

O governo aprovou as restrições de acordo com as recomendações do Ministério da Saúde e do Conselho de Segurança Nacional, de acordo com a ordem de emendar e aplicar os regulamentos de emergência (restrição de atividade). A ordem entrará em vigor na tarde de hoje, sendo aprovado pelo Knesset, o parlamento de Israel.

As diretrizes são:

  • Fechamento de academias e estúdios utilizados para atividades esportivas ou de dança, exceto as atividades de um atleta competitivo, conforme definido na ordem.
  • Não poderão haver aglomeração de mais de 10 pessoas em recintos e 20 pessoas em espaço aberto.
  • As piscinas permanecerão abertas, exceto nos finais de semana
  • Restaurantes e restaurantes – o serviço de auto-coleta e entrega somente será possível, sem que você esteja sentado.
  • Para restaurantes e restaurantes em hotéis – o número de pessoas hospedadas neles será limitado a 35% da ocupação máxima permitida, a fim de permitir que os hotéis continuem operando.

Restrições nos finais de semana:

Será aplicado às sextas-feiras das 17:00 até domingo às 5:00 da manhã.

  • Não haverá limite de distância para sair de casa.
  • Durante o fim de semana, a estadia nas praias será proibida (exceto no próximo fim de semana).
  • No final de semana, lojas, shoppings, mercados de varejo, cabeleireiros, salões de beleza, bibliotecas, zoológicos, zoológicos, museus e espaços para exposições, piscinas, atrações turísticas e teleférico serão fechados.
  • As restrições não se aplicarão às lojas que prestam serviços essenciais: locais para venda de alimentos, farmácias e uma loja que lida principalmente com a venda de produtos de higiene, lojas de óptica e um laboratório para reparar produtos de comunicação.
  • Além disso, a restrição não se aplicará a uma piscina de hotel, destinada apenas aos hóspedes do hotel (a fim de permitir a prestação dos principais serviços auxiliares do hotel aos hóspedes, mesmo durante o fim de semana).

1 comentário em “Nova quarentena em Israel e a inquietação popular”

Os comentários estão encerrado.