O Discurso de Obama

Democracia para o Oriente Médio

Presidente dos EUA, Barack Obama não tinha muitas ideias novas para oferecer em seu discurso na quinta-feira, 19 de maio, que, especialmente em Israel, tinha sido ansiosamente aguardado. Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pelo menos, não hesitou em partir para a capital americana após o homem mais poderoso do mundo ter acabado o seu discurso. Como já era esperado, ele estaria aguardando Netanyahu em Washington DC.

“Assad agora tem uma escolha”, disse Obama. . “Ele pode conduzir esta transição, ou ser tirado do caminho” Esta declaração inequívoca, apontando diretamente para o presidente sírio, foi, provavelmente, a parte mais inovadora do discurso – um discurso que os observadores em Israel esperávam ser a mera continuação do “O discurso do Cairo” do Verão de 2009, e no mais alto grau “ingênuinidade”. Elogiando a transição democrática no Oriente Médio, Obama estava fazendo nada além de propagar os ideais, alegaram. Não havia nenhuma referência no seu discurso aos problemas reais em sua mão. As vozes de Damasco rejeitaram como “a hipocrisia habitual americana!” E destacaram que “as sanções não nos impressionam nem um pouco!”

Obama descreveu um retrato de um Oriente Médio em seu caminho para a democracia e prometeu apoiar este processo com todos os meios disponíveis – especialmente com incentivos econômicos. Os direitos individuais devem ser protegidos, insistiu ele, as mulheres árabes têm seus direito e da liberdade de imprensa garantida “, mesmo que eles não digam o que querem ouvir”. Obama reconhecida a importância apenas marginal para a questão do conflito israel-palestinos – o tema fundamental que a maioria dos israelenses e palestinos aguardavam anciosamente.

“Dois Estados para dois povos com base em linhas de 1967 com os trocas de territórios de comum acordo”, declarou o presidente americano, isto é o que deve ser a base para futuras negociações. Um Estado palestino desmilitarizado que deve desenvolver-se junto ao Estado judaico de Israel. Com esta declaração, Obama não acrescentou nada de substancialmente novo a Netanyahu que já tinha previsto no seu discurso programático na Universidade Bar Ilan, no Verão de 2009. No entanto, Obama não explicou como exatamente um Estado palestino contíguo poderia vir à existência, dado o fato de que a Faixa de Gaza e a Cisjordânia são territórios separados, mesmo antes de 1967. Ele simplesmente repetiu o que o seu antecessor Bush havia exigido: “. O povo palestino deve ter o direito de governar a si mesmos, e alcançar seu pleno potencial, em um estado soberano e contíguo”

Barack Obama deixou claro que “os esforços para deslegitimar Israel terminará em fracasso”. E “…os Palestinos nunca terão a sua independência, negando o direito de Israel existir” Visando estas observações na direção de Israel, ele enfatizou que “nosso compromisso com a segurança de Israel é inabalável.” E “Israel deve ser capaz de se defender – por si só -. contra qualquer ameaça”. Mas então ele também levantou um dedo de avisando os israelitas, sublinhando que, por causa da amizade dos EUA com Israel, a verdade tinha de ser dita, isto é,” o sonho de um Estado judeu e democrático não pode ser cumprido com a ocupação permanente.” “O status quo não é sustentável”, declarou Obama em sua tentativa de destacar a urgência do processo de paz no Médio Oriente.

Ao mesmo tempo, o presidente americano evitou uma posição clara sobre temas sensíveis. Ele não mencionou os blocos de assentamentos, nem a compensação dos mesmos. As questões altamente emocionais de “Jerusalém” e “direito de retorno dos refugiados” que foram adiados para uma fase posterior nas negociações. Ele emitiu uma refutação clara para o plano de palestinos de proclamar um Estado independente em Setembro.

O ex-correspondente na América para a televisão israelense, Yaron Dekel, disse que o discurso era uma pílula amarga para o governo de Netanyahu, porque nenhum deles quer discutir as fronteiras de 1967. O governo de direita de União Nacional argumentou que a menção das fronteiras de 1967 não era nada novo. Clinton, Bush, Barak, Olmert e Livni já tinham negociados com eles, embora sem sucesso. De fato, Obama (ou o seu discursos) parece ter esquecido completamente o fato de que, alguns meses atrás, o chamado “Palileaks” revelou concessões de longo alcance por mediadores palestinos nesse sentido, que tinham sido firmemente negados pela população palestina. Um político palestino Nabil Shaath espontaneamente disse que um retorno à negociação era impensável sem um congelamento dos assentamentos.

© Gerloff Johannes, KEP Associação Cristã de mídia na Alemanha
tradução de Miguel Nicolaevsky.