O Milagre de 29 de Novembro

O Milagre de 29 de Novembro – Setenta anos se passaram e o Estado de Israel estará comemorando amanhã aquele dia incrível há sete décadas atrás que mudou a história do Povo de Israel que vivia no exílio por cerca de 2000 anos.

Quem já ouviu uma coisa dessas? Quem já viu tais coisas? Pode uma nação nascer num só dia, ou, pode-se dar à luz um povo num instante? Pois Sião ainda estava em trabalho de parto, e deu à luz seus filhos.
Isaías 66:8

Com a votação na ONU, esta profecia proferida pelo Profeta Isaías a mais de 2500 anos se cumpriu de forma extraordinária mudando o destino de uma nação que apenas dois anos antes estava completamente destinada a morte e a desaparecer por causa do Holocausto. Hoje, dia 27 de Novembro de 2017, sob a direção do Vide Presidente dos Estados Unidos da América, Mike Pence, será feita uma cerimônia comemorativa reproduzindo aquele dia histórico há 70 anos atrás. A cerimônia estará representando O Milagre de 29 de Novembro de 1947. Osvaldo Aranha, o chefe da delegação brasileira na ONU então, e presidente da Assembléia Geral da ONU naquele ano, teve um papel importantíssimo para o sucesso das negociações. Em New York haverão muitos shows e passeatas em Azul e Branco, comemorando O Milagre de 29 de Novembro, onde em um só dia as Nações do Mundo reconheceram a nação de Israel.

Hoje, 70 anos depois desta intervenção divina, o Estado de Israel é uma realidade, um verdadeiro milagre moderno. Israel é um modelo tecnológico e social, um país com um pé no passado e o outro no futuro. Apesar de tantos conflitos vem prevalecendo entre nações inimigas. Em uma mão o Tanach, a Bíblia Judaica, e em outra as armas.

Em 7 décadas o país deixou de ser um deserto para se tornar um oásis. O deserto floresceu, as ruínas foram restauradas e o povo voltou para a terra dos seus antecessores. 70 anos depois o Hebraico foi restaurado completamente como idioma da nação, este é mais um milagre cultural e social.

Osvaldo Aranha ficou conhecido na política internacional pelo lobby para a criação do Estado de Israel como chefe da delegação brasileira na ONU e presidente da Assembléia Geral da ONU em 1947. Como chefe da delegação brasileira, foi presidente da Assembléia Geral das Nações Unidas em 1947, durante a votação 181 sobre o Plano de Partição das Nações Unidas, no qual ele adiou a votação por três dias para garantir a sua aprovação. Por seus esforços na situação na região, foi nomeado para o Prêmio Nobel da Paz em 1948. Louvado seja Adonai por ter usado este brasileiro com sabedoria, temor e conhecimento da importância deste momento histórico.

No próximo ano o Estado de Israel estará comemorando 70 anos desde a proclamação de sua independência, mesmo ameaçado por todos os lados, David Ben Gurion não hesitou e correu o risco de uma guerra generalizada. A guerra veio, mas após quatro anos de batalha, Israel renasceu novamente das cinzas, firmando-se entre as famílias das nações da Terra. Os inimigos não desistiram, mas após 2000 anos de exílio os judeus jamais abandonariam o sonho de viver como um povo livre em sua própria terra. Este sonho podemos ouvir e lear nas estrofes do hino nacional de Israel:

Enquanto dentro do coração
De cada alma judia palpitar
E na direção do oriente
Os olhos se dirigirem

Ainda não cessou a nossa Esperança
Esperança que tem dois mil anos
De ser um povo livre em nossa terra
A Terra de Sião e Jerusalém.

É maravilhoso poder fazer parte deste tempo profético e de festa nacional. Com certeza este ano será um ano de grandes desafios e grandes esperanças.

Que você possa subir à Sião neste ano e se apresentar junto conosco diante do Senhor de Toda Terra.

Desde Sião,

Miguel Nicolaevsky