Palestinos mudam novamente rumo ao caminho do terrorismo

Curso Herança Judaica do Novo Testamento

Hoje, após o anuncio do presidente palestinos Mahmoud Abbas e de Ismail Hanye terem anunciado um acordo de sulkh, ou seja, “perdão” e unidade entre o governo palestino na Samaria e Judéia e o governo palestino do Hamas na Faixa de Gaza, o Primeiro ministro de Israel solicitou a responsável pelas negociações, Tzipi Livni que cancela-se sua reunião com os representantes palestinos nas negociações.

Desde a rebelião do Hamas, quando o grupo terrorista subiu ao poder na Faixa de Gaza nas eleições de 2006 havia uma completa desconeção e um ódio crescente entre a Fatah e o Hamas, dois grupos terroristas, cada um controlando uma parte do território.

O Governo de Israel que por sua vez já se mostrou contra qualquer tipo de acordo com o Hamas por parte da Autoridade Palestina se sentiu enganado pelo Fatah que “fala” de PAZ mas se prepara para guerra, afinal de contas, os últimos conflitos ocorreram por causa dos mísseis que são lançados contra Israel apartir da Faixa de Gaza , sob ordem ou cobertura do Hamas.

O Hamas é considerado o grupo terrorista mais violento da região nas última décadas e não exita em disparar contra civis a qualquer hora e de qualquer lugar.

O Primeiro Ministro do Estado de Israel está convocando uma reunião de cúpula do governo para tomar uma decisão sobre qual serão os próximos passos dos representantes diplomáticos do Estado de Israel. Mais cedo Benjamin Netanyahu telefonou para o Secretário de Estado Americano, John Kerry reclamando a decisão de Mahmoud Abbas e declarando que quem quer fazer paz com o Hamas não está pronto para fazer pais com o Estado de Israel.