Incrível: Pela Primeira Vez Israelense Encontram Novamente Face a Face com os Filisteus

Os maiores inimigos do Povo de Israel eram uma civilização aparentemente mais “avançada” tecnologicamente do que os Hebreus, eles eram os donos dos portos e lançavam sobre os Israelitas pesados impostos, confiscavam as terras e desrespeitavam sua crença.

A civilização dos filisteus permaneceu somente até o período do Helenismo, quando muitos foram massacrados e o restante simplesmente absorveram a cultura grega, a quem já eram tão próximos, deixando de ser um povo.

Cerca de 2500 anos depois de serem extintos, pela primeira vez os Hebreus se encontram novamente face a face com o inimigo mediante uma descoberta arqueológica incrível que poderá lançar mais detalhes daqueles que eram os mais terríveis inimigos de Israel, os Filisteus.

Mais de 160 esqueletos foram encontrados no Parque Nacional em Ashkelon, juntamente com as armas, jóias e garrafas de perfumes, provavelmente enterrados entre o Século XI AC para o VIII. “Estamos investigando os filisteus por 30 anos, mas nunca havíamos nos deparado com eles em pessoa,” diz o professor Daniel Mestre, chefe da missão arqueológica em Ashkelon.

[wolf_images_slider ids=”11474,11473,11472,11471,11470,11469″]

“Escavamos suas casas, mas nunca nos encontramos com eles em pessoa”, disse Daniel Mestre, Professor de Arqueologia do Wheaton College e chefe da delegação que está escavando em Ashkelon. “Essas descobertas nos permitem traçar as raízes dos filisteus.” Esta manhã (domingo, 10-07-2016) , foi realizada uma conferência de imprensa no Museu Rockefeller, em Jerusalém, em colaboração com o Museu de Israel, a Autoridade de Antiguidades de Israel e a Autoridade de Parques Nacionais e Reservas Naturais de Israel, para resumir 30 anos de trabalho no Parque Nacional de Ashkelon financiado pelo filantropo Leon Levy. E expor o cemitério é que foi destaque da escavação.

A singularidade do cemitério é o método de enterro: Até agora, os pesquisadores consideraram que os filisteus enterravam seus mortos em cavernas funerárias eram postos, como é costume dos cananeus e dos hebreus. Uma vez por ano os ossos eram recolhidos para um sarcófago (urna ou caixão) ou local de sepultamento concentrado, como expressão bíblica nos ensina “reunido aos seus antepassados”, que descreve uma pessoa que morreu.

“Em túmulos cananeus pode ser encontrados alimentos ou lâmpadas e estes elementos não encontrados no filisteus”, isto demonstra uma grande diferença. A detecção do cemitério permitirá aos investigadores para determinar como eram os assentamentos dos filisteus com mais precisão, e poder identificar as sepulturas descobertas em vários lugares em Israel em que havia dúvida sobre sua identidade. “Nós estudaremos as doenças sofridas pelo povo, dos traumas que passaram. Nós não estamos apenas a falar da família, mas de toda a população”. “Nós encontramos uma quantidade igual de homens e mulheres que recebem tratamento igual e foram enterrados na mesma forma.”

O cemitério é datado do XI ao VIII século AC, os arqueólogos descobriram até agora mais de 160 esqueletos. Alguns esqueletos foram encontrados com jóias e armas, mas a maioria dos mortos foram encontrados sem pertences pessoais. Outros artefactos fascinantes descobertos como frascos de perfume que foram colocados ao lado do esqueleto e, aparentemente, destina-se a cobrir o cheiro do corpo.

De acordo com Lawrence Steiger, professor emérito de arqueologia de Israel na Universidade de Harvard e um dos primeiros nas escavações em Ashkelon, em 1985, com a descoberta do primeiro cemitério filisteu “não podemos ignorar que 99% dos estudos feitos das práticas funerárias dos filisteus e deverão ser revistas e com isso um novo estudo”.

É muito impressionante ver que apesar dos filisteus serem uma nação forte, seus deuses foram incapazes de salve-los da extinção, mas o Povo de Israel permanece até os dias de hoje.