Curdos, quem são eles?

Os curdos são membros de um grupo nacional que faz parte de povos de origem persa. Estima-se que o número de curdos hoje esteja entre 25 a 40 milhões de pessoas em todo Mundo. A maioria dos curdos vive na Turquia, Irã, Iraque e Síria. Também existem comunidades curdas na Armênia e na Geórgia, enquanto a mais antiga comunidade curda vive perto da cidade de Cabul, no Afeganistão, e deixou o país durante a guerra civil afegã.

Desde o início do século XX, os curdos têm se esforçado para estabelecer um estado independente na região do Curdistão. Devido à forte oposição dos países da região, os curdos falharam em estabelecer um estado. Os curdos parecem ser o maior grupo nacional apátrida. Iraque, Irã, Síria e Turquia não reconhecem o nacionalismo curdo e alguns negam conceder direitos e autonomia culturais aos curdos.

TRIBOS CURDAS NA ANTIGUIDADE

Na Turquia, a maior parte da parte oriental do país é povoada por curdos. O partido do submundo curdo, PKK, foi muito ativo na década de 1990 e realizou muitos atos terroristas, até a captura de seu líder, Abdullah Ajlan. Além de suas atividades contra os curdos dentro de suas fronteiras, a Turquia também está atacando os curdos no norte do Iraque.

Nos últimos anos, depois de ser preso seu líder, eles decidiram por suavizar sua ideologia. O movimento começou a se concentrar na luta pelo reconhecimento da língua curda, sua cultura e seu direito à liberdade de expressão.

Hoje, a maioria dos refugiados curdos vive hoje em condições adversas nos campos de refugiados nos vários países em que estão dispersos, especialmente na Síria – onde há uma guerra civil severa sob o governo de Bashar Al-Assad, alguns dos quais participam.

Os curdos de hoje se consideram sucessores e descendentes de pessoas do Império Medo, um país que existia na região durante os períodos bíblicos, pois residem na mesma área geográfica em que o império existia, assim como outros povos iranianos. O império Medo foi conquistado por Ciro o Grande em 548 CA.

MANIFESTAÇÃO DOS CURDOS EM PROL DE INDEPENDÊNCIA

Durante anos, os imperadores de muitos curdos governaram muitos impérios, veja a lista a seguir:

Reinos e dinastias curdos

  • Rachaduras (AN) (700-827 / 8, Irã, Urmia)
  • Shadades (AN) (951-1174, passado no Cáucaso)
  • Dinastia Rwadid (AN) (955-1071, Tabriz e Ra’a (AN))
  • Os DeBans (AN) (943-1063)
  • Marwanids (AN) (990-1096, Dinver (AN))
  • Hasnawai (AN) (959-1095, Carmansha)
  • Os filhos de A’aran (ou: Os filhos de Anaz)
  • Os Zarasafis (A.D.) (1155-1425)
  • A Dinastia Ayyubid (1171-1341) – Iniciada por Saladino que conquistou Jerusalém e a Terra de Israel das mãos dos cruzados que haviam massacrados judeus e muçulmanos ao tomarem a Cidade Santa. Saladino abriu as portas da cidade e permitiu que judeus, cristãos e muçulmanos vivessem livremente nela.
  • Wasseldom do Reino de Ardlan (Ann) (1169-1867)
  • Emirado de Aban (AN) (1649-1851, região de Suleimania)
  • Provérbios de Suran (AN) (1816-1835, Região de Ruanda)
  • Emirado de Khakiri (AN) (atual 1835, sudeste da Anatólia, Turquia)
  • Declarações em Dinan (AN) (1339-1843, Amadiya (AN))
  • Princesas dos Bitalis (Ann)
  • Bohattan (AN) (1330-1855, Gazira, Jazeera)
  • Mechrian (AN) (finais do século XV a meados do século XIX)
SALADINO, O MAIS FAMOSO DOS CURDOS

Nos séculos X e XI, várias entidades políticas curdas foram estabelecidas na região do Curdistão: no norte – Shahid (951-1174) (Transaxenia Oriental entre os rios Kor e Arax), Rawadid (955-1221) (centrado em Tibriz e controlado todo o Azerbaijão), no leste de Hassanweihid (959-1015) (em Zagros, entre Shaharizur e Khuzistan), Vanazid (990-1116) (centrado em Holwan) e oeste – Marwanid (localizado ao sul de Diabekir e ao norte de Jazeera).

Há registros escritos do século XI dos curdos que que viviam na dinastia Buyid, após uma escassez de alimentos criada por uma onda contínua de frio. De acordo com os relatos contemporâneos, a partir desses tumultos, que poderiam ter sido causados ​​por escassez de alimentos, surgiram milícias curdas e de outros povos que vivem na região, que exploraram o conflito boêmio entre os militares e o governo e iniciaram campanhas de saques e estupros, que chegaram a Bagdá.

MAPA DO KURDISTÃO

As aspirações nacionais dos curdos foram reconhecidas pela primeira vez como parte do Tratado Sever assinado em Sever (francês: Sèvres) na França em agosto de 1920 após a Primeira Guerra Mundial e tinha como objetivo determinar o destino dos territórios otomanos ocupados durante a guerra. O acordo incluía uma promessa de estabelecer uma autonomia curda transfronteiriça nos territórios da Turquia, Síria, Iraque, Irã e seria auxiliado pelos estados do acordo. Foi acordado que os otomanos permitiriam essa autonomia e, se um ano após a assinatura do acordo, eles decidiriam se maioria dos moradores da região desejaria que os curdos ganhassem independência.

No entanto, o fatos é que durante a Guerra de Independência da Turquia, foram ancorados no Acordo de Lausanne, e Grã-Bretanha, França, Itália e Grécia a ratificaram de independência da Turquia sem conceder status autônomo ao Curdistão. À luz do acordo turco, os iraquianos, iranianos e sírios seguiram o mesmo caminho, principalmente com a promessa de permitir aos europeus o acesso às reservas regionais de petróleo curdas a baixo custo, em troca da abolição da idéia de autonomia curda.

Cerimônia dos Yezids, uma religião antiga entre os Curdos
CERIMÔNIA IAZIDIS, UMA DAS RELIGIÕES DOS CURDOS

Quem são os Curdos Hoje?

Segundo estimativas informais, hoje 86% dos curdos são muçulmanos, dos quais 65% são muçulmanos sunitas. Além disso, há 10% de muçulmanos xiitas que vivem principalmente nas províncias de Karmensha e Elam no Irã. Além disso, 10% dos curdos são muçulmanos devotos e são encontrados principalmente na Turquia. Os 15% restantes são principalmente yazidianos e cristãos de várias denominações, principalmente armênios, assírios, nestorianos e jacobitas. Além disso, existem judeus curdos, a maioria dos quais vive em Israel.

A população curda na Turquia é estimada em cerca de 15 milhões de pessoas, vivendo em 13 províncias que cobrem todo o sul e leste da Turquia. Os curdos eram civis no território atualmente governado pela Turquia antes mesmo do domínio muçulmano. Os turcos chegaram ao leste do Curdistão, na região conhecida como Turcomenistão, no início do século XIV como otomanos, um grupo do qual mais tarde se tornou o estado turco atual. Hoje, alguns curdos na Turquia não têm certos direitos – por exemplo, todas as atividades culturais curdas na Turquia são proibidas. Os curdos não podem ter nomes curdos e vestir roupas tradicionais curdas. Falar em língua curda em público é considerado uma ofensa criminal, sujeita a punição. Cantar, dançar e tocar na tradição curda também são atividades proibidas e quem viola está sujeito a punição. É proibida a impressão e distribuição de materiais escritos no idioma curdo. No entanto, nos últimos anos, houve algumas indicações de que o governo turco pode estar pronto para mudar sua política de repressão, mas com a situação atual, mergulharemos novamente em uma era das trevas.

JOVENS CURDAS EM EXÉRCITO CURDO, LEMBRAS AS ISRAELENSES

Na Síria, a população curda é estimada está entre 1 a 3 milhões de pessoas, ninguém sabe ao certo. Sob o domínio de Assad, como a Turquia, todas as atividades culturais curdas foram proibidas. Os curdos podem estar sujeitos a prisão prolongada por posse de material escrito em curdo. Os curdos na Síria estavam se rebelando ativamente contra o governo de Bashar al-Assad durante a guerra civil que está sendo travada no país desde 2011, mas esta situação poderá mudar com as operações militares da Turquia na Síria.

Atualmente, o Irã existem entre 5 a 6 milhões de curdos buscando independência política e econômica. Desde a década de 1920, tem havido um conflito contínuo entre organizações curdas e o governo iraniano com o objetivo de obter independência e autonomia no Curdistão Oriental. Tanto durante o período do xá iraniano quanto na atual República Islâmica. No entanto, quando a guerra civil eclodiu na Síria, o Irã se tornou um paraíso para centenas de milhares de refugiados curdos cujas casas foram destruídas.

Em 25 de setembro de 2017, foi realizado um referendo sobre a independência do Curdistão iraquiano, durante o qual os residentes curdos do norte do Iraque votaram a questão da separação do governo iraquiano. Os resultados da pesquisa revelaram que 92,73% dos eleitores votaram a favor, enquanto 7,27% dos eleitores votaram contra. Após os resultados do referendo, ocorreram diversas reações graves contra eles, principalmente pela Turquia, Irã e Iraque, aumentando as ameaças militares. O que vemos hoje não passa de vozes do imperialismo local, dos turcos, dos iraquianos, dos sírios e dos iranianos que venderam as terras curdas para o ocidente em troca de apoio em sua independência. Está mais que na hora do povo curdo ter sua independência. Os curdos são da região, quem não são, são os turcos, estes sim teriam que ser expulsos de região da Turquia, antigamente conhecida como Anatólia, lar dos povos Armênios, Celtas, Gálatas, Gregos, Frígios, Trácios, Bithynianos, Thynianos e curdos.