Relatório revela que 50.000 sobreviventes do Holocausto em Israel vivem na pobreza

Curso Herança Judaica do Novo Testamento

” O Holocausto e a vergonha “

A Fundação para o Bem-Estar das Vítimas do Holocausto publicou em um relatório que um em cada cinco sobreviventes do Holocausto que Vivem no Estado de Israel vive abaixo do nível de pobreza há apenas quatro dias antes do aniversário de uma nova comemoração do Dia da Lembrança do Holocausto em Israel.

No total, vivem ainda em Israel cerca de 193.000 que foram vítimas do Holocausto. A metade deles tem a idade de mais de 85 anos, e dois terços são mulheres.

A organização declarou que muitos dos sobreviventes são forçados a escolher entre alimentos e medicamentos para nos últimos dois anos.

De acordo com o relatório , 60% deles estão preocupados com a sua situação financeira atual a renda mensal não passa de 3.000 shekels, menos do que a renda média necessária para alugar um apartamento pequeno em Jerusalém ou Tel Aviv.

Ainda de acordo com o relatório cerca de 50.000 sobreviventes vivem abaixo da linha da pobreza e 90 mil relata que estão sentindo sozinhos e abandonados.

Além disso, 84% dos israelenses são a certeza de que o tratamento do Governo para com os sobreviventes do Holocausto ” é errado e injusto. “

A fundação baseou os sseus dados em estatísticas proprias e pesquisas realizadas tanto entre as vítimas do Holocausto como entre a população em geral.

Há dois meses atrás dezenas de sobreviventes e simpatizantes protestaram contra a falta de atenção do governo israelense para as suas necessidades, eles carregavam cartazes com slogans como “Holocausto e Vergonha “, ” Amanhã será tarde demais ” ou ” Nós não precisamos de fraldas ; aprendemos a absorver tudo. “

O ministro de Finanças israelense Yair Lapid, filho de um político e faleciado sobrevivente do Holocausto anunciou que o Parlamento votará no fim de abril um novo orçamento para o plano nacional de assistência às vítimas do Holocausto.

Infeleimente o governo de Israel desconfirmou as informações, declarando que os dados estão exagerados, mas confirmou que pelo menos 20.000 cidadãos israelenses sobreviventes do Holocausto estão em estado de pobreza.