Segundo Templo de Jerusalém

O Segundo Templo, em hebraico בית המקדש – Beit Hamikdash.

A Casa do Templo ou a Santa Casa, foi o templo reconstruído em Jerusalém, que ficava localizado do Monte Moriah entre 516 AC e 70 DC. Durante este tempo, o Segundo Templo foi o centro de culto judaico, que incluíam os sacrifícios que conhecidos como o korbanot. O Templo de Salomão, também conhecido como Primeiro Templo, e foi destruído em 586 AC, quando os judeus que foram exilados na Babilónia Cativeiro. Construção de um novo templo foi iniciado em 535, após um hiato, o trabalho retomada ca. 521 AC, com a conclusão ocorra em 516 AC e dedicação em 515 AC. Como descrito no Livro de Esdras, a receberam a autorização para a reconstrução por Ciro, o Grande, Rei da da Pérsia e que foi ratificada por Dario, o Grande, da Pérsia.

O Segundo templo que também foi conhecido como o Templo de Zerubabel foi basicamente construído em madeira, muito mais simples do que o templo de Salomão que era todo revestido de outro, e ele foi posteriormente ampliado e reformado por Herodes o Grande, o maior construtor da antiguidade.

O Segundo Templo que foi reformado por Herodes o Grande foi sem dúvida alguma a obra mais luxuosa e grandiosa da antiguidade e é bem provável que sua destruição também se devia ao fato de que os romanos e gregos não toleraram justamente o templo judaico ser o maior em toda a Terra saque época.

Os romanos liderados pelo general Tito destruíram Jerusalém e o segundo templo em agosto 70 da era cristã, quando sufocaram a Grande Revolta judaica que começou em 66 EC.

Uma nação reorganizada

Após o retorno do cativeiro, sob liderança de Zorobabel, foram tomadas quase que imediatamente as reformas para reorganizar o Reino de Judá que havia se desolado e estava renascendo setenta anos depois de sua destruição. O levante de peregrinos, formando um grupo de cerca de 50 mil judeus, incluindo os filhos é descrito em Esdras 2:65, tendo completado a viagem longa e triste de cerca de quatro meses, das margens do Eufrates, a Jerusalém e foram animados em todos os seus processos por um forte impulso religioso, e, portanto, uma das suas primeiras preocupações foi restaurar a sua antiga casa de culto através da reconstrução do seu templo destruído e reinstituir o sacrifício rituais conhecido como o korbanot.

a-gloria-do-templo-1

Adquira inteiramente grátis o eBOOK A GLÓRIA DO TEMPLO

E saiba mais sobre:

  • A Glória do Templo
  • O Tabernáculo
  • A Arca da Aliança
  • O Templo em Jerusalém
  • O Segundo Templo de Jerusalém
  • O Terceiro Templo
  • O Templo do Alto

Ver mais detalhes

A convite de Zorobabel, o governador, que mostrou-lhes um exemplo notável de liberalidade, contribuindo pessoalmente com 1.000 dracmas de ouro, além de outros presentes, o povo derramou as suas ofertas no Tesouro sagrado com grande entusiasmo (Esdras 2). Primeiro eles ergueram e dedicaram o altar de Deus, no local exato onde outrora serviam, e, em seguida, eles limparam os montes de escombros carbonizados que ocupou o local do antigo templo, e no segundo mês do segundo ano (535 AC), em meio a grande emoção do público e alegria (Salmos condizente com 116; 117 e 118), as fundações do Segundo Templo foram estabelecidas. A cerimônia teve um grande impacto neste grande movimento, embora tenha sido considerado com sentimentos misturados pelos espectadores (Ageu 2:3;  Zacarias 4:10).

E a palavra do Senhor veio novamente a mim, dizendo:
As mãos de Zorobabel têm lançado os alicerces desta casa; também as suas mãos a acabarão, para que saibais que o Senhor dos Exércitos me enviou a vós.
Porque, quem despreza o dia das coisas pequenas? Pois esses se alegrarão, vendo o prumo na mão de Zorobabel; esses são os sete olhos do Senhor, que percorrem por toda a terra.

Zacarias 4:8-10

A destruição do Segundo Templo

Roma havia nomeado os reis da era Herodiana sobre os Judeus que não respeitavam as regras de culto e tradições do Povo de Israel, havia uma grande insatisfação judaica de seus governantes, principalmente porque eles eram obrigados a pagar três impostos, 10% para o Templo conforme era de costume, 10% para Roma e 10% para Herodes que gastava absurdos com obras grandiosas.

Além disso, os romanos estavam interferindo na escolha dos sacerdotes e dos juízes, o que transformou a religião judaica em política romana onde o interesse pessoal era o que prevalecia acima de tudo.

Foi durante o período Herodiano que Jesus exerceu o seu ministério, uma época em que o Povo de Israel ansiava pelo seu Messias, o Rei Libertador. Muitos dos milagres e das mensagens de Jesus foram presenciadas a porta do Templo conforme podemos ver a seguir:

Mas, no meio da festa subiu Jesus ao templo, e ensinava.
E os judeus maravilhavam-se, dizendo: Como sabe este letras, não as tendo aprendido?
Jesus lhes respondeu, e disse: A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou.
Se alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma doutrina conhecerá se ela é de Deus, ou se eu falo de mim mesmo.
Quem fala de si mesmo busca a sua própria glória; mas o que busca a glória daquele que o enviou, esse é verdadeiro, e não há nele injustiça.
Não vos deu Moisés a lei? e nenhum de vós observa a lei. Por que procurais matar-me?
A multidão respondeu, e disse: Tens demônio; quem procura matar-te?
Respondeu Jesus, e disse-lhes: Fiz uma só obra, e todos vos maravilhais.
Pelo motivo de que Moisés vos deu a circuncisão (não que fosse de Moisés, mas dos pais), no sábado circuncidais um homem.
Se o homem recebe a circuncisão no sábado, para que a lei de Moisés não seja quebrantada, indignais-vos contra mim, porque no sábado curei de todo um homem?
Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça.
Então alguns dos de Jerusalém diziam: Não é este o que procuram matar?
E ei-lo aí está falando abertamente, e nada lhe dizem. Porventura sabem verdadeiramente os príncipes que de fato este é o Cristo?
Todavia bem sabemos de onde este é; mas, quando vier o Cristo, ninguém saberá de onde ele é.
Clamava, pois, Jesus no templo, ensinando, e dizendo: Vós conheceis-me, e sabeis de onde sou; e eu não vim de mim mesmo, mas aquele que me enviou é verdadeiro, o qual vós não conheceis.
Mas eu conheço-o, porque dele sou e ele me enviou.
Procuravam, pois, prendê-lo, mas ninguém lançou mão dele, porque ainda não era chegada a sua hora.
E muitos da multidão creram nele, e diziam: Quando o Cristo vier, fará ainda mais sinais do que os que este tem feito?

João 7:14-31

 

A destruição to templo também foi predita pelo messias Jesus – Yeshua que declarou:

E, quando Jesus ia saindo do templo, aproximaram-se dele os seus discípulos para lhe mostrarem a estrutura do templo.
Jesus, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derrubada.

Mateus 24:1,2

Em 66 EC, a população judaica se rebelou contra o Império Romano após quase um século de opressão, morte de milhares e a transformação de muitos em escravos.

Quatro anos depois, em 70 EC, as legiões romanas de Tito e reconquistou posteriormente destruiu grande parte de Jerusalém e do Segundo Templo. O arco de Tito, localizada em Roma, construída para comemorar a vitória de Tito em Judéia, retrata os soldados romanos carregando a Menorá do Templo. Jerusalém foi arrasada pelo imperador Adriano no final da barra Kochba rebelião em 135 EC.

destruicao-templo-francesco-hayez