Síria: 600 ataques aéreos em 15 horas, onde está o Mundo?

Síria – Exército sírio de Bashar Al-Assad com a ajuda da Força Aérea da Rússia de Vladimir Putin bombardearam centenas de alvos durante a noite, nas cidades controladas pela oposição no sudoeste da Síria. Durante apenas 15 horas, eles fizeram mais de 600 ataques aéreos. O organização síria dos direitos humanos, cujos relatórios são considerados confiáveis, publicou este relato hoje.

Segundo o relatório, este é um número sem precedentes de bombardeios na região no sul da Síria. A organização, com sede em Londres que é auxiliada por uma rede de informantes por toda a Síria, disse que nos bombardeios foram utilizados centenas de mísseis e cargas explosivas com combustíveis.

Quatro dias antes do bombardeio no sul da Síria, fracassaram as tentativas da Rússia para chegar a um cessar-fogo com a oposição, os rebeldes anunciaram ontem à noite que as negociações falharam e que não haveria trégua. Pouco tempo depois da comunicação chegaram as informações de que a Síria e a Rússia voltaram a massacrar a oposição a Assad com bombardeios sem cessar.

O exército do presidente sírio, Bashar Assad, está atualmente em execução de uma grande operação com seus aliados, as milícias iranianas, Hezbollah e Rússia, tentando restaurar o controle da Província de Dar’a, onde começou a revolta popular começou contra Assad em 2011, dando início a guerra civil na Síria.

Se Dar’a cair de volta nas mãos de Assad, será a vitória da tirania mais cruel que o Oriente Médio já viu nos últimos anos. Bashar Al-Assad massacrou um quarto de milhão de pessoas e Mundo nada faz contra isso, principalmente por que ele é apoiado por outro assassino, Vladimir Putin.

O Estado de Israel continua em prontidão caso multidões de sírios venham a tentar atravessar a fronteira com o Estado de Israel.

Ontem o Ramat Kal, o General Chefe do Estado Maior das Forças de Defesa de Israel esteve visitando a região, recebendo avaliações da situação e passando instruções as forças que estão junto a fronteira com a Síria, nas Alturas de Golan.

Fonte: Organização de Monitoração de Direitos Humanos da Síria em Londres – Foto: PixaBay