Teria o Mossad exterminado engenheiro terrorista do Hamas?

Pelo menos é isso que alegam os Líderes do Hamas. A Família do terrorista engenheiro teve a discrepância de dizer que Fadi al-Batash não era terrorista e nem trabalhava para o Hamas, mas foi o Hamas quem enviou uma equipe para a Malésia para entender o que aconteceu.

A Malásia disse que “agentes estrangeiros” podem estar envolvidos na morte de um engenheiro palestino e membro do Hamas na entrada de uma mesquita em Kuala Lumpur, na manhã de sábado. A família da vítima e os palestinos culparam o Mossad de Israel pelo assassinato. Ora, se ele não estava envolvido com o terrorismo então como podem alegar que o Mossad o exterminou, pois a agência secreta de Israel não o faria se ele não fossem terrorista.

“Pode haver uma conexão com serviços secretos estrangeiros”, disse o vice-primeiro-ministro da MalásiaAhmad Zahid Hamidi, aos meios de comunicação, especificando que os dois homens que supostamente mataram Fadi al-Batash eram brancos.

O Hamas anunciou que o engenheiro palestino era um membro da organização e a mídia palestina relatou acusações de que o Mossad poderia estar por trás do assassinato. Em Israel ninguém conformou ou desmentiu. Normalmente os serviços de segurança preferem o anonimato.

Segundo os sites de notícias palestinos, Fadi al-Batash, de 35 anos, foi emboscado na entrada de uma mesquita e baleado a curta distância por dois motociclistas não identificados. Fontes palestinas na Malásia citaram o chefe de polícia dizendo que os assaltantes não identificados esperaram cerca de 20 minutos por Batash do lado de fora da mesquita. Eles atiraram mais de 10 balas no Batash. Os atiradores fugiram da cena, se assim for, o recado foi dado, ninguém fica livre de punição quando apoia e trabalha para grupos terroristas, mesmo que esteja muito distante do Estado de Israel.

Fadi al-Batash era engenheiro e estava desenvolvendo instrumentos de espionagem e explosivos para drones do Hamas.

Os parentes pediram para que o seu corpo seja trazido para Gaza, mas o Estado de Israel já mandou  recado dizendo que não vai permitir a entrada para ser sepultado em Jabalia em Gaza. Caso isso ocorra, será feito somente pela fronteira do Egito.