Universidade Hebraica de Jerusalém

A Universidade Hebraica de Jerusalém (em hebraico: האוניברסיטה העברית בירושלים, ha'universita ha'ivrit birushalayim ; árabe: الجامعة العبرية في القدس, Al-Jami 'al-`ah Ibriyyah fil-Quds; abreviado HuJI) é a mais antiga universidade de Israel.

A Primeira Câmara de Governantes foi quem determinou a sua contrução, entre os participantes estavam Albert Einstein, Sigmund Freud, Martin Buber, e Chaim Weizmann. Na Universidade Hebraica de Jerusalém está a maior biblioteca do mundo estudos judaicos.

Conta com estudiosos que são membros do corpo docente renomados em todo mundo como Gershom Scholem, Yeshayahu Leibowitz, Don Patinkin, Daniel Kahneman e Robert Aumann. Quatro dos primeiros-ministros de Israel são ex-alunos da Universidade Hebraica.

Nos últimos sete anos, seis formandos da Universidade receberam o Prêmio Nobel. A Universidade Hebraica é classificada consistentemente no Academic Ranking of World Universities como a melhor universidade em Israel e está entre as 100 melhores universidades do mundo.

Uma das visões do movimento sionista foi o estabelecimento de uma universidade hebraica na Terra de Israel. Fundar uma universidade na Terra Santa já havia sido proposto em 1884 no Kattowitz (Katowice) conferência da sociedade Amantes de Sião. Um dos principais patrocinadores da idéia foi Albert Einstein, que legou seus papéis e seu acervo literário à universidade.

Cerimónia de inauguração, 1925

A pedra fundamental da universidade foi estabelecida em 1918 e, sete anos depois, em 1 de abril de 1925, o campus da Universidade Hebraica no Monte Scopus de Jerusalém foi inaugurada em uma cerimônia de gala com a presença de líderes do mundo judaico, acadêmicos e figuras do público e personalidades britânicas, incluindo Lord Arthur James Balfour, Viscount Allenby e Sir Herbert Samuel.

O primeiro chanceler da universidade foi Judah Magnes. Em 1947, a universidade tinha se tornado uma grande instituição de pesquisa e ensino. Então os planos para uma escola médica foram aprovados em Maio de 1949, e em novembro de 1949, uma Faculdade de Direito foi inaugurada.

Em 1952, foi anunciado que o instituto agrícola fundado pela universidade em 1940 viria a ser uma faculdade de agricultura plena. Durante os confrontos árabe-israelense de 1948, os árabes atacaram repetidamente a universidade, localizada ao nordeste de Jerusalém, além de atacarem os comboios que circulam entre a seção controlada pelos israelenses de Jerusalém e a universidade, pois não havia continuidade territorial.

Após o ataque ao comboio médico de Hadassah, em 1948, o Campus do Monte Scopus foi desconectado da Jerusalém judia. Quando o governo jordaniano renegou o armistício de 1949 e recusou o acesso de Israel para o campus do Monte Scopus, o presidente da nova Universidade, Professor Benjamin Mazar determinou a contrução de um novo campus e muito maior em Givat Ram, em Jerusalém Ocidental, que foi concluída em 1953.

Nesse ínterim, as aulas foram realizadas em 40 edifícios diferentes ao redor de Jerusalém. O edifício Terra Sancta em Rehavia, alugado do Zeladores Franciscanos da Terra Santa sendo utilizado para essa finalidade. Alguns anos mais tarde, juntamente com a Organização Médica Hadassah, um campus da ciência médica foi construído no bairro de Jerusalém de Ein Kerem, no sudoeste de Jerusalém.

No início de 1967, haviam cerca de 12.500 alunos, distribuídos entre os dois campus em Jerusalém e na faculdade agrícola em Rehovot.

Após a reunificação de Jerusalém na Guerra dos Seis Dias de junho de 1967, a Universidade foi capaz de retornar ao campus do Monte Scopus, que foi reconstruída. Em 1981, a obra foi concluída, e o Campus do Monte Scopus tornou-se novamente o principal campus da universidade. A universidade foi novamente afetada durante o conflito em 31 de julho de 2002, quando um trabalhador da construção civil palestina (um residente de Jerusalém Oriental) explodiu uma bomba na lotada lanchonete Frank Sinatra na universidade durante o almoço. Nove pessoas – cinco cidadãos israelenses, três cidadãos americanos, e um cidadão da França e dos Estados Unidos – foram mortos pela explosão e muitos mais feridos. Hamas reivindicou a responsabilidade pelo ataque. Os líderes mundiais, incluindo Kofi Annan, o presidente Bush, e o presidente da União Europeia emitiram declarações de condenação.

A Biblioteca Universitária Judaica Nacional é a maior biblioteca da Universidade Hebraica e uma das mais impressionantes das coleções de manuscritos no mundo. É também a parte mais antiga da universidade. Fundada em 1892 como um centro mundial para a conservação das obras relativas ao pensamento e cultura judaica que assumiu as funções adicionais de uma biblioteca universitária geral em 1920.

As coleções Judaicas e Hebraicas são as maiores do mundo. Abriga todas as matérias publicadas em Israel, e se empenha em adquirir todos os materiais publicados no mundo relacionados ao país. Possui mais de 5 milhões de livros e milhares de itens em seções especiais, muitos dos quais são únicos. Entre eles estão os arquivos de Albert Einstein, além do departamento de menuscritos hebraicos. A coleção de mapas Eran Laor, coleção científica de Edelstein, Gershom Scholem, e uma coleção dos primeiros manuscritos de Maimônide.

Em seu testamento, Albert Einstein deixou para Universidade Hebraica seus documentos pessoais e os direitos de autoria intelectual, bem como o direito de usar a sua imagem. O Arquivo de Albert Einstein contem cerca de 55.000 itens.

Além da Biblioteca Nacional, da Universidade Hebraica opera com outras bibliotecas em seus campus, entre eles a Avraham Harman Science Library, Givat Ram, Matemática e Ciência da Computação Biblioteca, Givat Ram; Biblioteca de Ciências da Terra, Givat Ram; Bloomfield para a Biblioteca Ciências Humanas e Sociais, MT. Scopus; Bernard G. Segal Law Library Center, MT. Scopus; Biblioteca de Arqueologia, MT. Scopus; Moisés Leavitt Biblioteca do Serviço Social, MT. Scopus; Zalman Aranne Biblioteca Central da Educação, MT. Scopus; Biblioteca da Escola Internacional Rothberg, MT. Scopus; Muriel e Filipe I. Berman National Medical Library, Ein Kerem, Central Library of Agricultural Science, Rehovot, e da Roberta e Stanley Bogen A Biblioteca de S. Harry Truman Instituto de Pesquisa para o Avanço da Paz, MT. Scopus.

Os comentários estão encerrado.