Vilarejo de 2.300 anos de idade descoberto junto a estrada de Burma

Curso Herança Judaica do Novo Testamento
Fotografias aéreas. Crédito da foto: Skyview, cortesia da Autoridade de Antiguidades de Israel
Moeda do reinado do rei Antíoco III. Foto: Clara Amit, cortesia da Autoridade de Antiguidades de Israel

Após a descoberta, a Autoridade de Antiguidades de Israel e Compania Israel das Linhas de Gás Natural mudaram os planos de engenharia para a construção, a descoberta do vilarejo de 2.300 anos de idade lança mais luz na Arqueologia Bíblica na Judeia.

Fotografias aéreas. Crédito da foto: Skyview , cortesia da Autoridade de Antiguidades de Israel

Após a descoberta , a Autoridade de Antiguidades de Israel e Compania Israel das Linhas de Gás Natural mudaram os planos de engenharia para a construção,

permitindo que o sítio arqueológico seja preservado e aberto para o público

Os restos de um assentamento rural que que havia sido ocupado por cerca de dois séculos, durante Período do Segundo Templo foram escavados desde agosto de 2013 e janeiro 2014 perto da 'Estrada de Burma' ( não muito longe de Mitzpe Harel ). A descoberta foi feita pela Autoridade de Antiguidades de Israel durante a escavação arqueológico de salvamento, antes do início dos trabalhos de um gasoduto de gás natural para Jerusalém, como parte de um projeto nacional dirigido pela compania Israel Linhas de Gás Natural.

Em junho de 2013, a empresa começou a construção de um gasoduto com 35 km de comprimento do projeto, que vai desde a planície costeira até os arredores de Jerusalém. Diante dos achados , a Autoridade de Antiguidades de Israel e a empresa concordaram que os planos de engenharia para a linha de gás deveriam ser revistos, contornando o local e preservando-o como um sítio arqueológico acessível ao lado da Estrada de Burma.

As escavações que cobriam cerca de 750 metros quadrados, revelou um pequeno povoado rural, com algumas casas de pedra e uma rede de ruas estreitas. Cada edifício, o que provavelmente abrigava uma única família nuclear, composta de vários quartos e um pátio aberto. De acordo com Irina Zilberbod, diretora da escavação, em nome da Autoridade de Antiguidades de Israel declarou, “Os quartos geralmente servidos como salas residenciais e de armazenamento, enquanto que as tarefas domésticas eram realizadas nos pátios”.

O sítio, cujo nome não foi descoberto, está situado no topo de um plato a 280 metros acima do nível do mar, com vistas impressionantes da paisagem que o cerca. Essas grandes extensões de terra foram usados ​​como são hoje para cultivar pomares e vinhas, que foram a base econômica dos primeiros colonos da região.

As escavações mostraram que o vilarejo atingiu o auge de seu desenvolvimento no período helenístico(durante o século III AC ), quando a Judéia foi governada pela monarquia selêucida após Alexandre o Grande, e que foi abandonado no final da dinastia dos Hasmoneus, ou seja, os Macabeus.

Não se sabe por que o local foi abandonado, mas provavelmente está relacionado aos problemas econômicos e não a um incidente violento. Como arqueólogo do Conselho Regional de Jerusalém Dr. Yuval Baruch explica: “O fenômeno das aldeias e fazendas sendo abandonadas no fim da dinastia dos Hasmoneus ou o início do período de Herodes é uma regra que ocorreu muito e que estamos familiarizados com a partir de muitas localidades rurais na Judéia, e ele pode estar relacionado a grandes projetos de construção de Herodes em Jerusalém, em particular com a construção do Monte do Templo, e a migração em massa de moradores para a capital para trabalhar nesses grandes projetos.”

As escavações revelaram numerosas e variadas descobertas de todos os períodos de ocupação, incluindo basalto e calcário utilizados na moagem e ferramentas de fresar para o uso doméstico, potes de cerâmica de cozinha , frascos para armazenar líquidos(óleo e vinho, lâmpadas de azeite) de cerâmica para uso doméstico, e mais de sessenta moedas, incluindo moedas dos reinados de rei selêucida Antíoco III e o Hasmonean rei Alexandre Jannaeus .