Yom Hashoa – Dia dos Holocausto

O Povo de Israel para duas vezes por ano para lembrar os seus mortos. No primeiro dia, isto ocorre em memória ao extermínio de 6.000.000 de judeus que foram cruelmente assassinados durante o Holocausto ocorrido durante a II Guerra Mundial a mando de Adolf Hitler. A segunda ocasião é no Dia do Memorial em que o povo lembra todos aqueles que caíram em batalha ou morreram em atentados quando os inimigos da Nação de Israel tenta destruí-la sem sucesso. Este dia precede ao dia da Independência de Israel.

Dia do Holocausto , 1 de Maio de 2019, por volta das 20:00hs em Jerusalém se iniciará o dia dos memoriais das vítimas do Holocausto Nazista no Estado de Israel, conhecido em Hebraico como Yom Hashoah ou Dia do Holocausto.

Por volta das 20:00 hs inicia-se um dos dias mais triste da história do povo de Israel, o Yom Hashoa, ou seja, o Dia do Holocausto. O principal dos eventos é realizado normalmente no Museu do Holocausto em Jerusalém, quando o Presidente de Israel, o Sr. Reuven Rivlin abriru a noite com um discurso.

Amanhã pela manhã, exatamente as 10:00 hs horas da manhã seguinte, ao soar da sirene em todo país, milhões de pessoas interromperão todas as suas atividades para lembrar os seis milhões de judeus que foram exterminados nos campos de concentração por mão dos nazistas.

Cerca de 70 anos após o Holocausto Nazista, o Povo de Israel continua abaixo de sobras de ameaças de extermínio, a principal delas neste ano ainda é o Irã. Em Israel, muitos dizem que todos os meios para impedir um Irã armado com bombas nucleares são válidos, pois assim como a Alemanha da Segunda Guerra Mundial, o Irã tem ameaçado exterminar o povo de Israel.

Infelizmente, após mais de 70 anos após holocausto, a comunidade internacional continua se calando diante das ameaças islâmicas contra a existência do povo de Israel. Israel hoje luta praticamente sozinha contra o radicalismo muçulmano que se opõe a sua existência e mesmo em países como o Brasil e os EUA que tem muito a dever aos judeus que ajudaram em sua colonização e no fortalecer de sua cultura e economia, pouco ou quase nada se faz afim de apoiar o Estado de Israel.

As ondas de anti-semitismo estão se fortalecendo e há aqueles que ousam comparar os soldados de Israel com os oficiais da SS, os governantes de Israel com Hitler. Ainda seta semana uma mulher judia foi assassinada e mais três pessoas ficaram feridas nos Estados Unidos, onde o assassino fez alegações de puro anti-semitismo. Aqui na Terra de Israel, os grupos palestinos continuam incitando a população a matar judeus. O Irã continua livremente apregoando o extermínio do Estado de Israel e o Povo Judeu.

Que Adonai tenha misericórdia de todos os inocentes e parentes daqueles que perderam seus queridos em tais atrocidades.

Desde Sião, Miguel Nicolaevsky