março 4, 2021

Dia do Perdão, muito mais que uma palavra, uma atitude – Parte 1

Dia do Perdão – O Termo dia do Perdão é oriundo da raiz do verbo Khiper – כפר  no Hebraico, e o significado mais exato não é Perdão e sim Expiação.

Definição de expiação segundo o dicionário é:
substantivo feminino

  1. purificação de crimes ou faltas cometidas. Meio usado para expiar(-se); penitência, castigo, cumprimento de pena; sofrimento compensatório de culpa.
  2. RELIGIÃO – no Antigo Testamento, uma classe de contrições que consistia em sacrifícios expiatórios, e cuja finalidade era a de reparar os pecados.
  3. JURÍDICO (TERMO) – cumprimento da pena imposta à pessoa a quem se imputou a prática de um crime.

Para entendermos bem como chegou o termo a ser considerado perdão, precisamos entender o contexto real bíblico, visto que não há perdão sem expiação, ou seja, no Tanach, a Bíblia Hebraica, que é conhecida pelos cristãos como Velho Testamento, não pode haver tal perdão se a conta do pecado não foi paga por alguém ou algo.

O termo Khiper aparece na Bíblia Hebraica 123 veses em 113 versículos, é algo bastante popular e está relacionado principalmente com a interseção realizada por alguém em favor de alguém, para que haja perdão de pecados. Mas para entendermos bem seu significado real, precisamos entende melhor esta raiz, quero convidar-te a conhecer comigo os dois primeiros versículos que aparecem com o verbo expiar.

Cobrir e Proteger

עֲשֵׂ֤ה לְךָ֙ תֵּבַ֣ת עֲצֵי־גֹ֔פֶר קִנִּ֖ים תַּֽעֲשֶׂ֣ה אֶת־הַתֵּבָ֑ה וְכָֽפַרְתָּ֥ אֹתָ֛הּ מִבַּ֥יִת וּמִח֖וּץ בַּכֹּֽפֶר׃

Genesis 6:14

Faze para ti uma arca de madeira de gôfer: farás compartimentos na arca, e a revestirás de betume por dentro e por fora.

Genesis 6:14

Aqui neste versículo podemos aprender algo maravilhoso, o verbo Lekhaper é usado pela primeira vez no sentido de cobrir a arca preparada por Noé e seus filhos, de tal forma que as águas do juízo divino não danificassem-na e por consequência, seus tripulantes não morressem junto com o restante da humanidade que estava sendo julgada por seus pecados. O verbo utilizado aqui não está de forma ativa ou passiva, muito comumente utilizadas quando se trata de perdão, a raiz é a mesma mas a forma é indicativa e nem mesmo imperativa. Ela visava previnir Noé e sua família de serem tragados pelas águas do juízo juntos com os ímpios.

Ser Aceito, Pagar o Preço da Afronta e Sensibilizar, Abrandando a Hostilidade

וַאֲמַרְתֶּ֕ם גַּ֗ם הִנֵּ֛ה עַבְדְּךָ֥ יַעֲקֹ֖ב אַחֲרֵ֑ינוּ כִּֽי־אָמַ֞ר אֲכַפְּרָ֣ה פָנָ֗יו בַּמִּנְחָה֙ הַהֹלֶ֣כֶת לְפָנָ֔י וְאַחֲרֵי־כֵן֙ אֶרְאֶ֣ה פָנָ֔יו אוּלַ֖י יִשָּׂ֥א פָנָֽי׃

Genesis 32:21

E direis também: Eis que o teu servo Jacó vem atrás de nós. Porque dizia: Aplacá-lo-ei com o presente, que vai adiante de mim, e depois verei a sua face; porventura ele me aceitará.

Genesis 32:20

É importante salientar que mesmo os números dos versículos serem diferentes, na Bíblia Hebraica o versículo 21 equivale ao versículo 20 na Bíblia em Português.

Jacó aqui enviou mensageiros abarrotados de preciosidades e bens, e ele mesmo declara que o objetivo era aplacar a ira de seu irmão. Jacó sabia que havia pecado e muito contra seu irmão, ele havia manipulado-o duas vezes, uma para adquirir a primogenitura e outra para roubar-lhe a benção. Agora Jacó está com muito medo, seus presentes podem não ser o suficiente para cobrir sua multidão de pecados, mas o que ELE não sabia é que seu verdadeiro perdão não viria de seu irmão, mas sim do Eterno com quem encontrou-se a seguir.

A atitude de Esaú e uma lição poderosa

A História de Esaú nos revela algo incrível, o fato é que Ismael nunca perdoou a Jacó, talvez por que nunca realmente guardou em seu coração a mágoa pela atitude de seu irmão Jacó. Jacó não esqueceu o que fez com seu irmão a vida toda, ele carregou o fardo de seus pecados por décadas até confrontá-lo novamente, mas Ismael nem mesmo se lembrava do incidente entre eles, nem mesmo relacionou os presentes com as trapalhadas de Jacó.

A Bíblia nos revela que Ismael tornou-se poderosíssimo em poucos anos:

Depois os mensageiros voltaram a Jacó, dizendo: Fomos ter com teu irmão Esaú; e, em verdade, vem ele para encontrar-te, e quatrocentos homens com ele.

Genesis 32:6

E esta informação dos mensageiros deixou Jacó ainda mais com medo de que o juízo divino estivesse prestes a recair sobre ele. O que Jacó não sabia era que Adonai tinha outra forma de julga-lo no encontro com o anjo no vale de Jaboque. A grande lição de Esaú é que quando não estamos ocupados com a vingança e a culpa, temos tempo para crescer e prosperar. Talvez Esaú até tenha lembrado dos dois incidentes quando Jacó falou com ele de perto, mas ele já havia enterrado a muito tempo aquilo, e preferia o irmão de volta do que reviver mágoas que não levam a lugar algum.

Yom Kippur é um dia triste ou um dia alegre em Israel?

De uma forma geral, tende-se a pensar que o Yom Kippur é um dia de tristeza, isto se deve ao versículo a seguir:

אַ֡ךְ בֶּעָשׂ֣וֹר לַחֹדֶשׁ֩ הַשְּׁבִיעִ֨י הַזֶּ֜ה י֧וֹם הַכִּפֻּרִ֣ים ה֗וּא מִֽקְרָא־קֹ֨דֶשׁ֙ יִהְיֶ֣ה לָכֶ֔ם וְעִנִּיתֶ֖ם אֶת־נַפְשֹׁתֵיכֶ֑ם וְהִקְרַבְתֶּ֥ם אִשֶּׁ֖ה לַיהוָֽה׃

Leviticus 23:27

Ora, o décimo dia desse sétimo mês será o dia da expiação; tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas; e oferecereis oferta queimada ao Senhor.

Leviticus 23:27

De fato o termo utilizado é afligir a alma, mas o significado direto interpretado para os judeus é o Jejum, palavra que não aparece no texto. Os sábios antigos consideraram que uma vez abstendo-se de alimentos, a alma é afligida e se prepara para de fato se conectar com o Criador, sem o dever de suprir as necessidades do corpo, uma vez que estão debaixo da lei mosaica. Para entendermos isto melhor, podemos lembrar que em muitas ocasiões quando o Povo de Israel era advertido pelos profetas, os reis convocavam um jejum solene, exatamente conforme no Yom Kippur, como reconhecimento do pecado, humilhação e purificação dos pecados de forma coletiva. Um excelente exemplo disso é o Livro de Jonas, quando o Profeta chega a Nínive e a mensagem de arrependimento chega ao rei, ele convoca um Jejum solene, todos se vestem de saco e jejuam e Adonai livra a cidade do juízo. Apesar do Jejum, o espírito por detrás deste dia é de alegria, pois a obediência traz o perdão de pecados e a possibilidade de viver uma nova vida onde podemos abandonar os erros do passado.

Jonas e a mensagem do perdão

O Livro de Jonas é a leitura recomendada nas sinagogas para este dia solene, nele também são lidos os Salmos e muitos outros livros proféticos que trazem a esperança da redenção final do Povo de Israel.

O Livro de Jonas é sem dúvida arrebatador e ele lida com o dilema de um profeta que preferia pecar contra Adonai do que permitir a salvação de um povo inimigo como os ninivitas.

וַֽיְהִי֙ דְּבַר־יְהוָ֔ה אֶל־יוֹנָ֥ה בֶן־אֲמִתַּ֖י לֵאמֹֽר׃קוּ֠ם לֵ֧ךְ אֶל־נִֽינְוֵ֛ה הָעִ֥יר הַגְּדוֹלָ֖ה וּקְרָ֣א עָלֶ֑יהָ כִּֽי־עָלְתָ֥ה רָעָתָ֖ם לְפָנָֽי׃וַיָּ֤קָם יוֹנָה֙ לִבְרֹ֣חַ תַּרְשִׁ֔ישָׁה מִלִּפְנֵ֖י יְהוָ֑ה

Jonas 1:1-3

Ora veio a palavra do Senhor a Jonas, filho de Amitai, dizendo: Levanta-te, vai à grande cidade de Nínive, e clama contra ela, porque a sua malícia subiu até mim. Jonas, porém, levantou-se para fugir da presença do Senhor para Társis. E, descendo a Jope, achou um navio que ia para Társis; pagou, pois, a sua passagem, e desceu para dentro dele, para ir com eles para Társis, da presença do Senhor.

Jonas 1:1–3

Nos versículos a seguir lemos sobre o diálogo entre Jonas e os tripulantes do Navio que está a deriva por causa do seu pecado em desobedecer ao Eterno. É bem provável que Jonas era poliglota, pois ele conversa claramente com as pessoas que entendem de forma absoluta o que devem fazer, mas demonstram temer mais Adonai do que o Profeta. Parece que a teimosia de Jonas levou-o a aprender muitas lições, e as primeiras conversões não aconteceram em Nínive, mas sim no navio em que estava, conforme podemos ler a seguir:

וַיִּשְׂאוּ֙ אֶת־יוֹנָ֔ה וַיְטִלֻ֖הוּ אֶל־הַיָּ֑ם וַיַּעֲמֹ֥ד הַיָּ֖ם מִזַּעְפּֽוֹ׃וַיִּֽירְא֧וּ הָאֲנָשִׁ֛ים יִרְאָ֥ה גְדוֹלָ֖ה אֶת־יְהוָ֑ה וַיִּֽזְבְּחוּ־זֶ֙בַח֙ לַֽיהוָ֔ה וַֽיִּדְּר֖וּ נְדָרִֽים׃

Jonas 1:15-16

Então levantaram a Jonas, e o lançaram ao mar; e cessou o mar da sua fúria. Temeram, pois, os homens ao Senhor com grande temor; e ofereceram sacrifícios ao Senhor, e fizeram votos.

Jonas 1:15–16

Jonas porém, parece que não entendeu a mensagem divina, e mesmo considerado morto na barriga do peixe, está concentrado em se livrar do juízo divino e não da misericórdia.

וַאֲנִ֗י בְּק֤וֹל תּוֹדָה֙ אֶזְבְּחָה־לָּ֔ךְ אֲשֶׁ֥ר נָדַ֖רְתִּי אֲשַׁלֵּ֑מָה יְשׁוּעָ֖תָה לַיהוָֽה

Jonas 2:10

Mas eu te oferecerei sacrifício com a voz de ação de graças; o que votei pagarei. Ao Senhor pertence a salvação.

Jonas 2:9

É muito interessante notarmos que mesmo estando errados, se nossas preces são feitas com fé e sinceridade Adonai nos ouve e nos livra do mal. Porém é importante salientar que aquilo que devemos, de alguma forma será pago por alguém. No Novo Pacto, Yeshua é quem paga por nós, mas isto não nos livra das consequências de nossos pecados. Isto se assemelha a um criminoso que comete o crime e diz no tribunal que se arrepende, ele não vai se livra totalmente da pena, pode até ter a mesma reduzida, mas não cancelada. Seu arrependimento não trará de volta a vida de quem ele tirou ou o bem de quem ele roubou ou danificou, mas trará paz ao seu coração.

O texto não deixa claro qual foi o voto de Jonas, mas parece ser evidente, tudo indica que ele votou ser obediente a todo custo da próxima vez, e isto não tardou.

Deixe um comentário