Os judeus mataram Jesus? Saiba o que realmente a Bíblia fala sobre isso!

A idéia de que o homem pode matar um deus, seja ele qual for, é algo muito conhecido, não somente a acusação de milhões de cristãos ao longo da história, mas também em diversas mitologia na antiguidade. Entra as muitas culturas que falam sobre o deicídio, ou assassinato de Deus, estão a antiga religião egípcia, as religiões da mesopotâmia e até mesmo nas lendas greco-romanas.

Mitologia egípcia
Set matou Osíris, que mais tarde foi ressuscitado por Ísis. Em fontes gregas, Typhon substitui Set como o assassino.

Mitologia mesopotâmica

Na mitologia babilônica, Kingu, junto com sua mãe dragão, Tiamat, foram mortos pelo deus da guerra Marduk na batalha primordial do Enuma Elish. Depois, os deuses misturaram o sangue de Kingu com argila e criaram os humanos. Uma variante desse mito, do épico de Atra-Hasis, diz que o deus menor Geshtu-E foi sacrificado para fazer humanos com seu sangue.

Mitologia grega

Ophiotaurus era uma criatura cujas entranhas garantiam o poder de derrotar os deuses a quem os queimasse. Os titãs tentaram usá-los contra os olímpicos.
Depois de saber que seus filhos estavam destinados a usurpar ele, Cronos devorou ​​seus filhos. No entanto, seus filhos foram posteriormente libertados por Zeus.

Mitologia nórdica

Loki enganou Höðr para matar Baldr.
Váli vingou a morte de Baldr matando Höðr.
A maioria das principais figuras morrem em Ragnarök. De acordo com o Gylfaginning, Jörmungandr mata Thor envenenando-o, Fenrir mata Odin, enquanto Heimdallr e Loki se matam.

Mitologia japonesa
Izanami morreu ao dar à luz o deus do fogo Kagutsuchi.
O pai de Kagutsuchi, Izanagi, decapitou Kagutsuchi devido à dor.
budismo
Os crimes listados no Anantarika-karma incluem matar um Arhat e derramar o sangue de um Buda. Devadatta e Ajatashatru tentaram matar o Buda Gautama.

Mitologia havaiana
Lanikaula, um profeta, mata os seguidores do deus trapaceiro Pahulu em Lanai.

Mitologia asteca
Tezcatlipoca enganou seu rival Quetzalcoatl fazendo-o beber em excesso e ser libertino. Quetzalcoatl se queima até a morte de vergonha.

O deicídio judeu é uma crença histórica, originalmente formalizada como uma posição teológica nos primeiros tempos cristãos, que afirmava que o povo judeu era coletivamente responsável pela morte de Jesus. A acusação foi feita já em Justin Martyr e Melito de Sardis. Com o tempo, a acusação anti-judaica de que os judeus eram assassinos de Cristo alimentou o anti-semitismo cristão, e proliferou a calúnia incitando turbas a usá-la como pretexto para a violência contra os judeus, contribuindo para muitos séculos de pogroms, o assassinato de Judeus durante as Cruzadas, a Inquisição Espanhola e o Holocausto.

No catecismo que foi produzido pelo Concílio de Trento, a Igreja Católica afirmou a crença de que a coletividade da humanidade pecadora foi responsável pela morte de Jesus, não apenas os judeus. Nas deliberações do Concílio Vaticano II (1962–1965), a Igreja Católica Romana sob o papa Paulo VI repudiou a crença na culpa judaica coletiva pela crucificação de Jesus. Declarou que a acusação não poderia ser feita “contra todos os judeus, indistintamente, então vivos, nem contra os judeus de hoje”. No entanto, vários grupos cristãos rejeitam a declaração do Concílio Vaticano II e continuam a adotar pontos de vista anti judaicos, incluindo a teoria deicídio.

Vejamos alguns textos que nos explicam o motivo real pelo qual os judeus e os romanos(gentios) juntos, crucificaram a Jesus. Pois o relato dos evangelhos revelam o ponto de vista dos expectadores e não do motivo real:

Nisto conhecemos o que é o amor: Jesus Cristo deu a sua vida por nós, e devemos dar a nossa vida por nossos irmãos. 1 João 3:16

Deus o ofereceu como sacrifício para propiciação por meio da fé, pelo seu sangue, proclamando a evidência da sua justiça. Por sua misericórdia, havia deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; Romanos 3:25

Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:16

Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. João 10:11

Quando chegaram ao lugar chamado Caveira, ali o crucificaram(os romanos) com os criminosos, um à sua direita e o outro à sua esquerda. Jesus disse: “Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que estão fazendo“. Então eles dividiram as roupas dele, tirando sortes. Lucas 23:33-34

Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado; e assim todo o Israel será salvo, como está escrito: Virá de Sião o Libertador, e desviará de Jacó as impiedades; e este será o meu pacto com eles, quando eu tirar os seus pecados. Romanos 11:25, 26 e 27

Portanto, estes textos nos mostram que de fato, a razão pela qual os judeus endureceram seus corações é o fato de que por algum motivo, que não conseguimos compreender, talvez, o seu amor grandioso, aprouve ao eterno, por um tempo, que isto ocorresse. Afim de que bilhões pudessem ser alcançados, mas nos últimos dias, ELE mesmo derramará sua compaixão e misericórdia, e resgatará todo o seu povo.

Quando entendemos o princípio da graça divina, da soberania, do amor, da misericórdia, então entendemos que de fato, o Povo de Israel também pagou um preço muito caro, para que você, seu povo e todos os gentios, que crêem, possam ser também alcançados e salvos. Porém, Paulo adverte não sermos soberbos, o dia da plenitude dos gentios chegará, a porta para os gentios se fechará e Todo Israel Será Salvo.

Deixe um comentário

dezoito − oito =