Advogados protestam contra reforma judiciária em Israel

17 escritórios de advocacia, considerados líderes na economia israelense, assinaram uma nova carta contra o plano Netanyahu-Levin de revolucionar o sistema judicial. Na carta, que foi publicada ao meio-dia (quinta-feira), consta que os ministérios alertam para o prejuízo à solidez e independência do sistema judiciário. “Este não é o caminho. O plano e os projetos de lei sobre a mesa não produzem uma correção, mas ao contrário. A implementação do plano também pode prejudicar a forma como Israel é percebido no cenário mundial como uma democracia e prejudicar gravemente a economia israelense”.

A carta foi assinada por Mitar, Goldfarb Seligman, Gornicki, Gross, S. Horowitz & Co., Herzog, Fisher, Perl Cohen, Epstein Rosenblum Maoz, Sheblat, Omar Reiter Jean Shuchtovitch & Co., Erdinset, Ben Natan, Toledano Co. com Hamburger Evron, Barnea, Arnon Tadmor Levy, Firon, Nishitz Brands Amir e Agmon com Tolcinsky.

“Nós, abaixo-assinados, os maiores escritórios de advocacia de Israel, desejamos alertar contra prejudicar a força e a independência do sistema judicial e o sistema de freios, contrapesos e restrições que sustentam o regime democrático do qual tanto nos orgulhamos, juntamente com o fato que o Estado de Israel é o estado-nação do povo judeu”, lê-se em uma carta

Deixe um comentário