Agentes de segurança serão julgados por tráfico de armas em Israel

Dois policiais de fronteira e sete civis serão acusados ​​de operar transações de armas e munições. Tudo indica que os mesmos são árabes mesmo debaixo da censura dos nomes. As cidades de onde são em sua maioria são árabes ou cidades mistas como Jerusalém e Haifa. O tráfico de armas entre os árabes em Israel é um dos elementos que mais incentivam a violência no setor.

O Departamento de Investigações da Polícia moveu uma ação contra dois policiais de fronteira e sete outros civis, residentes de Jerusalém, Haifa, Kfar Manda, Shefar’am e Shuafat, após terem agido para realizar transações de armas e munições. Assim, o policial recorreu ao outros réus e pediram-lhes que conseguissem armas para ele – mas também pediram munições ao policial em troca. E um ato de imprudência e negligência com as armas que acabam por serem usadas em crimes de vingança ou no sub-mundo do crime no setor árabe.