Barcelona decide manter conexão com Israel

A Comissão da Presidência da Câmara Municipal de Barcelona votou por ampla maioria para cancelar a decisão da prefeita, Ada Colao, de romper as relações oficiais das autoridades da cidade com Israel e cancelar o projeto de cidades gêmeas entre a maior cidade da Catalunha e Tel Aviv.

Apenas uma das facções representadas na comissão votou a favor do despacho do prefeito para cancelar as relações, outra facção se absteve e as demais se opuseram. No entanto, a decisão do Conselho não é relevante porque não pode cancelar a ordem emitida pelo prefeito Kolao.

Vários manifestantes carregando bandeiras palestinas compareceram ao prédio do conselho e protestaram contra a decisão da organização. Os manifestantes carregavam cartazes condenando Israel e pedindo o cancelamento da “pintura dos crimes da ocupação israelense”. O autarca Colau emitiu a ordem depois de 4.000 residentes da cidade terem assinado uma iniciativa civil, um número relativamente baixo numa cidade de cinco milhões e meio de habitantes.

Outra iniciativa anti-Israel foi votada no município de Barcelona. A iniciativa do partido do autarca foi rejeitada por todos os partidos, exceto pelo partido do autarca, que a apoiou, e pelo partido ERC, que se absteve. A iniciativa pede o estreitamento dos laços de Barcelona com os palestinos e com organizações sem fins lucrativos, incluindo organizações israelenses, que trabalham contra a violação dos direitos humanos e contra o que é conhecido como “apartheid israelense”.