Espanhola-palestina trabalhava para terrorismo ao invés de assistência social

O caso confirma a tese israelense de que muitas “organizações palestinas de caridade” na realidade não passam de facha para arrecadar fundos para o terrorismo árabe contra os israelenses. Uma espanhola que mora na Autoridade Palestina foi condenada por arrecadação de fundos para a Frente Popular Palestina.

Um tribunal militar condenou Juana Ruiz Rashmavi, uma residente espanhola da Autoridade Palestina, por crimes de serviço para uma associação não autorizada e receber dinheiro e trazê-lo ilegalmente para a Judéia e Samaria. Segundo ela, desconfiou de que a organização estava envolvida com a Frente Popular Palestina, mas não foi adiante, não verificou e não questionou. O resultado é a prisão em Israel.

De acordo com a acusação, ela trabalhou para arrecadar milhões de shekels de países europeus para a organização “Frente dos Comitês de Saúde” da Frente Popular, enquanto falsificava documentos e fraudava doadores. A organização foi declarada uma associação ilegal por Israel. Rashmawi admitiu a acusação como parte de um acordo judicial e sua sentença será proferida em uma semana.

Fonte: IsraelHayom – Foto: Pexels.com