Governo Bennett nega direito dos judeus de adorarem no Monte do Templo

Monte do Templo: O Gabinete do Primeiro Ministro esclareceu que o anúncio publicado ontem de que os judeus têm liberdade de culto no Monte do Templo é um erro – e acabou sendo uma “escolha de palavras errada”.

Fontes do Gabinete do Primeiro Ministro enfatizaram que o status quo no Monte do Templo foi mantido e não há mudança nele. Embora o anúncio do Gabinete do Primeiro Ministro tenha sido interpretado como significando que os judeus tinham permissão para orar no Monte do Templo, o que irritou os líderes do partido Liga Árabe Unida – RAAM, a intenção era preservar a liberdade dos judeus de visitar o Monte do Templo.

Mais uma vez, o governo de Naftali Bennett demonstrou que ao contrário do que dizia, está alinhado com os partidos de esquerda e com os partidos árabes, onde aos judeus é negado até mesmo o direito de rezar no Monte do Templo. A soberania dos judeus na Terra de Israel, e o sangue derramado na conquista de Jerusalém é considerado em vão. Bennett, ao contrário do discurso de seus apoiadores nas eleições, não tem nada de novo a oferecer ao judaísmo nacionalista, e nada de novo para todo o povo de Israel. Seu governo não passa de mais uma versão do governo Netanyahu.