Israel abre as portas para o Mundo

Israel permitirá a entrada de turistas individuais, vacinados e em recuperação a partir de 1º de novembro. Isso foi decidido ao meio-dia (quinta-feira) em uma discussão com o primeiro-ministro Naftali Bennett. A decisão está sujeita à aprovação do Conselho de Ministros da Corona. Uma reserva foi feita ao esboço após a descoberta da nova variante – e foi decidido não reconhecer a vacina russa entretanto. Também atualmente nenhuma entrada de turistas de países onde há uma disseminação da subespécie AY4.2 será aprovada.

Bennett pediu mais alguns dias para testar o reconhecimento da vacina russa, mas pode estar aguardando seu encontro amanhã com o presidente russo, Vladimir Putin, para anunciar sua presença. O reconhecimento da vacina foi adiado para 1º de dezembro.

A discussão contou ainda com a presença do Ministro da Saúde, do Ministro do Turismo, do Diretor-Geral do Ministério da Saúde, do Diretor-Geral do Ministério dos Transportes, do Diretor-Geral do Ministério do Turismo, do Comissário Corona, da Saúde Pública Service, o Procurador-Geral Adjunto e outros profissionais.

Depois que grupos organizados podem entrar em Israel a partir de meados de setembro, um novo esquema foi aprovado, aumentando a cota para 2.000 pessoas por dia. No entanto, foi decidido que grupos de países com avisos graves de viagem para morbidade corona não teriam permissão para entrar. Ynet soube que Israel está considerando incluir a Grã-Bretanha na mesma lista. A lista, ao que parece, será determinada por uma fórmula que incluirá o número de pacientes na nova variante a cada mês, o número de vacinadores e a taxa de morbidade.

Os grupos de turistas ficarão isentos de isolamento desde que funcionem em cápsula e possam chegar ao país sem exame sorológico, mas terão que realizar teste de antígeno diariamente ou PCR uma vez a cada três dias. Os turistas que permaneceram em um país vermelho ou em um país com aviso severo de viagem duas semanas antes de chegar a Israel não poderão entrar.

Entre as decisões está uma declaração igualmente importante: Israel reconhece pela primeira vez vacinas não administradas em Israel. Além de serem vacinados com duas doses de Pfizer, Moderna e Asterznika, eles também são vacinados com as vacinas chinesas Sinovak e Sinopharm (e já se passaram duas semanas desde a segunda vacina), e turistas vacinados com uma vacina Johnson & Johnson poderão para entrar no país.
Vacinação de equipes médicas na Flórida

Os recuperadores também poderão entrar em Israel, mediante a apresentação de uma referência a um resultado positivo em um teste NAAT (teste molecular como o PCR), pelo menos 11 dias antes de entrar no país. Os turistas que já se recuperaram e receberam pelo menos uma dose da vacina aprovada pela Organização Mundial de Saúde também poderão entrar.

O ministro do Turismo, Yoel Rezbozov, tuitou no final da discussão que “esta não é a linha de chegada, é apenas o salto para o retorno de todos os turistas. Parabéns ao primeiro-ministro Naftali Bennett e ao ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, por manter o equilíbrio entre saúde e economia. O sustento. “

Kobi Karni, presidente da Association of Travel Agencies, disse em resposta que “a Association of Travel Agencies congratula-se com a decisão de princípio de permitir a entrada de turistas, uma decisão que deveria ter sido tomada há muito tempo. O contorno obtido ainda não é claro e perfeito e certamente as múltiplas condições e testes exigidos no contorno das equipes podem dissuadir até mesmo os maiores torcedores israelenses de chegar. Mas depois de quase dois anos em que o Estado de Israel esteve sob um cerco turístico, não há dúvida de que esta é uma mudança para melhor.

“Espero que a decisão de permitir a entrada de turistas vacinados e em recuperação no país seja o primeiro passo para o retorno às atividades de muitos turismo receptivo e que as deficiências do esboço proposto sejam corrigidas em breve. O turismo entre países é baseado na reciprocidade e Turistas imunizados vêm para Israel. “

A associação hoteleira saudou o esboço, afirmando que a decisão “constitui um avanço significativo em relação à situação actual, no que diz respeito à abertura do céu à entrada de turistas”. A associação agradeceu ao primeiro-ministro e ao ministro do turismo, mas disse acreditar que houve algumas melhorias no esquema, incluindo “a formulação de um esquema para turistas individuais cuja última data de vacinação foi há mais de meio ano e não receberam uma terceira vacina – semelhante ao esboço para grupos decidido hoje. “