Netanyahu desviou festividade em Jerusalém e Hamas tem exigências

Um ponto de viragem pouco antes do início do evento: O Primeiro-Ministro aceitou a recomendação do GSS e do IDF e decidiu, contrariamente à opinião do Ministro da Segurança Interna Ohana e do Comissário da Polícia Shabtai, que o tradicional desfile do Dia de Jerusalém não ocorreria em a zona explosiva. O canal da Jihad Islâmica disse: “Uma grande vitória para o povo de Jerusalém. Pela primeira vez na história, Israel decidiu não permitir que colonos passassem pelo Portão de Nablus.”

A polícia anunciou à tarde (segunda-feira) que por decisão do escalão político e por recomendação das forças de segurança, o tradicional desfile das bandeiras para o Dia de Jerusalém não terá passagem pela Porta de Nablus. A decisão de mudar o rumo da marcha foi tomada pelo Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu seguindo a recomendação do GSS e das FDI, e contrariando a opinião do Ministro da Segurança Interna Amir Ohana e do Comandante da Polícia General Kobi Shabtai.

De manhã, a polícia invadiu o Monte do Templo depois de atirar pedras da mesquita de al-Aqsa. Poucas horas depois, os tumultos recomeçaram e as transmissões ao vivo mostraram os confrontos, os constantes arremessos de pedras – e as granadas de choque servidas pela polícia.

21 policiais ficaram feridos e três deles foram evacuados para o hospital. De acordo com o Crescente Vermelho, sete manifestantes ficaram gravemente feridos. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu instruiu o gabinete de segurança política a se reunir esta noite à luz dos eventos em Jerusalém e no sul.

O Ministério das Relações Exteriores francês disse: “A França reitera sua profunda preocupação com os violentos confrontos que vêm ocorrendo em Jerusalém há vários dias, deixando várias centenas de feridos e agora apresentando um risco de escalada generalizada”. e abster-se de qualquer provocação, a fim de permitir um retorno à calma o mais rápido possível. Todas as ações que levem à escalada no terreno devem ser interrompidas.

O porta-voz da ala militar do Hamas, Abu Obeida, emitiu um ultimato afirmando que Israel deve evacuar todas as forças de segurança da Mesquita Al-Aqsa e do bairro Sheikh Jarrah até as 18h (segunda-feira). Ele também exigiu a libertação de todos os palestinos presos nos últimos dias em distúrbios. Às 17:30, o Gabinete de Segurança Política se reunirá para discutir a situação.

Os ramos militares da Jihad Islâmica e da Frente Popular também divulgaram imagens de foguetes como ameaças de tiros contra Israel. Uma foto postada pelo The Popular Front mostra o relógio do escritor para trás.

As 18:02 hs Hamas disparou mísseis em direção a Jerusalém e Beit Shemesh, afrontando mais uma vez as Forças de Defesa de Israel e ameaçando a segurança do Povo de Israel, se esta afronta não for devidamente reprimida, será a falência moral do Estado de Israel.