Novo governo de Israel revela acordo, Naftali Bennett vendeu o país para os árabes

Antes da tomada de posse do governo no domingo, os acordos dos partidos do governo de mudança liderados por Bennett e Lapid estão sendo publicados. De acordo com o acordo, RAAM receberá um vice-ministro no Gabinete do Primeiro Ministro, a presidência do Comitê do Ministério do Interior e do Comitê para a Sociedade Árabe e o Vice-Presidente do Parlamento, o Knesset. 2,5 bilhões de shekels serão alocados em cinco anos para o programa de erradicação do crime e outros 1 bilhão de shekels serão alocados em dois anos para o programa de transporte urbano.

De acordo com o acordo com a RAAM, o partido de MK Mansour Abbas terá os seguintes cargos: Vice-Ministro no Gabinete do Primeiro Ministro, Presidente do Comitê do Interior do Knesset, Vice-Presidente do Knesset e Presidente do Comitê da Sociedade Árabe.
Além disso, o acordo com a RAAM afirmava que “as partes concordam em aprovar um plano de cinco anos para reduzir as lacunas na sociedade árabe, drusa, circassiana e beduína em 30 bilhões de shekels até o final de 2026, sem prejuízo das decisões governamentais anteriores.”

Outras questões que aparecem no acordo com o primeiro partido árabe a ingressar na coalizão desde a criação do estado: aprovação de um plano de cinco anos para erradicar a violência e o crime na sociedade árabe, orçamento do transporte urbano na sociedade árabe, aprovação do 100 milhões de shekels por ano para corrigir distorções em projetos em localidades árabes no governo liderado por Benjamin Netanyahu.

O acordo representa o fim da preferência da maioria judaica e levará sem dúvida algum a um aumento da imigração árabe para Israel, a longo prazo poderá representar o fim do Estado de Israel como estado judaico. Milhões de árabes israelenses que abandonaram o país ao longo de décadas, agora serão incentivados a imigrar para Israel. No acordo nem mesmo está descrito a obrigatoriedade de ensinarem Hebraico para a população árabe, a paralisação da incitação ao ódio pela irmandade muçulmana e o cumprimento das leis do país que no que diz respeito a ilegalidade das construções no setor árabe. Naftali Bennett literalmente vendeu o país para os árabes.

Fonte: IsraelHayom, YnetNews