Opinião Messiânica: Raquel chorando os seus filhos no Afeganistão

Tudo era uma questão de tempo até vermos as mesmas atrocidades cometidas no passado pelos afegãos, antes do controle do país pelos americanos. Os cidadãos do Afeganistão completam cerca de 100 dias desde que o Talibã assumiu o controle do país em agosto deste ano. Quando os americanos estavam no controle, a situação era bem melhor, mas o país está sendo agora assolado pela miséria. A imensa pobreza que assola o país depois dos combates está fazendo com que as famílias vendam não apenas meninas como forma de cobrir dívidas, mas até bebês de 20 dias. Isso é em troca da promessa de um dote que permitirá à família sobreviver.

Infelizmente, muitos destes bebês estão destinados, se são meninas, futuramente se tornarem escravas sexuais. Se são meninos, soldados mercenários do Talibã para impor a Sharia, lei marcial, em seu país. Raquel, como um exemplo de matriarca, deve estar revirando agora no túmulo, pela morte em vida de seus filhos. Afinal de contas, viver debaixo de um regime como este é se tornar um zumbi, um morto perambulando.

Informações da Fundação Internacional de Caridade Thomson Routers de Cabul, capital do Afeganistão, mostram que, de acordo com fontes de direitos humanos no país, a taxa de casamento de menores dobrará rapidamente em todo o país, devido à forte fome vivida por muitas famílias. Para ilustrar o que é, antes que o Talibã assumisse o controle, 28% das prometidas para casamento, tinham menos de 18 anos e 4% das prometidas em casamento, tinham menos 15 anos. No entanto, a idade de casamentos das meninas está diminuindo rapidamente em todo o país, com adolescentes de 13 anos apenas, se casando com homens com o dobro de sua idade ou para sustentar a família.

A esse respeito, o Daily Mail cita uma conversa na Thomson Foundation com um afegão chamado Pazel, que trabalhava em uma olaria e caiu na pobreza. Pazel disse: “Tive de casar minhas duas filhas de 15 e 13 anos com homens com o dobro de sua idade para sustentar a família. Se a situação continuar, não terei escolha a não ser casar minha filha de sete anos também.”

A proeminente ativista de direitos humanos e mulheres afegãs Wazma Frug diz sobre a história que “este não é um caso. Infelizmente, ouço todos os dias sobre meninas de 10 anos se casando com homens mais velhos. Não é casamento, mas estupro infantil”.

Roubo de infância

O maior paradoxo da situação atual é o fato de que grande parte do dinheiro do Afeganistão como país foi congelado no exterior por países e bancos ao redor do mundo desde que o Talibã chegou ao poder. Um homem que estava completamente desanimado em poder ajudar sua família, abandonando sua esposa e cinco filhos em uma mesquita no país. Três meninas dos cinco filhos já foram casadas no mesmo dia. O inquilino tem nove anos como pagamento da dívida.

Frog, que fundou uma organização para o estudo da mulher no país, afirma que “isso é ilegal para tirar crianças. É também contrário à nossa religião”. No entanto, essa posição religiosa não é aceitável para os líderes do Talibã, que vivem apenas sob a lei Sharia, que não estabelece uma idade mínima para o casamento das mulheres.

É por isso que a própria Frog e a ativista pelos direitos das mulheres Jamila Afghani acreditam que “em breve veremos uma realidade em que metade das meninas se casará com menos de 18 anos e não poderá estudar. Esta é a conclusão deles.

É importante notar que ativistas de direitos humanos abordaram a liderança do Talibã, que sob pressão concordou em garantir que haverá alguma educação para as mulheres – uma posição à qual a organização se opôs no passado – mas não há mudança na prática. Ativistas de direitos humanos dentro e fora do país estão pedindo ao Ocidente que não ajude o Talibã sem prometer proteger os direitos humanos em seu país. Mas será difícil exigir isso se houver uma verdadeira fome no país no inverno de 2022, por causa do boicote internacional.

Por enquanto, Raquel, a Matriarca, continuará chorando seus filhos e filhas, jovens inocentes que tem tido sua infância roubada, e o mundo se cala sem nada fazer para mudar esta situação. Nossas orações é que Adonai venha a intervir na situação triste em que o povo afegão se encontra e que uma nova liderança que realmente ama seu país, possa subir ao poder, depondo a tirania do Talibã.