OTAN: Não reconheceremos os referendos “falsos” da Rússia nos territórios da Ucrânia

Aumentam os tons diplomáticos a cerca das operações inaceitáveis por parte da Rússia contra a Ucrânia. Desta vez, as declarações foram feitas pela liderança da OTAN. A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), condenou a iniciativa de Moscou de realizar referendos nas áreas ocupadas por ela na Ucrânia. Em um comunicado, a organização pediu a todos os países que rejeitem o que chamou de “tentativa flagrante da Rússia de anexar território”.

De acordo com o anúncio da organização, “falsos referendos em Donetsk, Luhansk, Zaporizhia e Kherson carecem de legitimidade e serão uma violação flagrante da Carta da ONU”.

Também foi relatado que “os aliados da OTAN não reconhecerão a anexação ilegal e ilegítima dessas áreas”. Pertencem à Ucrânia.” Espera-se que os referendos sejam realizados de sexta-feira até a próxima terça-feira em várias regiões da Rússia.

ONU: Russia cometeu crimes de guerra

Ontem a ONU declarou que há provas de crimes de guerra cometidos pelas tropas de Vladmir Putin durante a invasão russa durante esta guerra. Nesta semana foi encontrado uma vala comum de sepulturas onde os russos enterraram centenas de civis ucranianos que foram cruelmente assassinados durante os bombardeios e a invasão russa.

Imigração em massa para Israel

Em Israel, por causa da convocações de milhões de civis na Rússia para participarem da Guerra na Ucrânia, o governo está falando em preparar-se para receber dezenas de milhares de novos imigrantes russos. Os preços de passagens para fora da Rússia dispararam logo após o início e Israel é um dos candidatos a imigração judaica russa.

Rússia iniciou referendos nos territórios ocupados da Ucrânia

A Rússia começou a realizar nesta manhã, referendos para anexar áreas que capturou da Ucrânia. Isso foi relatado na mídia russa. Os referendos serão realizados, entre outras coisas, nas regiões separatistas pró-Rússia de Donetsk e Luhansk, no leste da Ucrânia, e em áreas sob ocupação de Moscou, como as regiões de Kherson e Zaporizhia.

Fonte: IsraelHayom e YnetNews – Foto Ilustração: Pexel.com