Rússia pressiona Síria para retirar Irã de cena

O presidente russo, Vladimir Putin, se reuniu ontem à noite (segunda-feira) com seu homólogo sírio Bashar Assad no Kremlin. Durante a reunião, Putin enviou uma mensagem a Assad que ele parece estar tocando na presença iraniana em seu país. “As forças estrangeiras estacionadas na Síria fora da resolução da ONU são um obstáculo para a formação do país”, disse o presidente russo, que também parabenizou seu homólogo sírio pela vitória nas eleições presidenciais com 95,19% dos votos.

Os comentários de Putin são mais um passo na mudança que ocorreu na atitude da Rússia em relação à presença iraniana na Síria nos últimos dois anos. Nos últimos anos, Moscou assinou vários acordos com Damasco, que visam desenvolver a Síria no longo prazo – juntamente com o aprofundamento da presença russa na Síria. Por outro lado, Moscou reconhece que o objetivo do Irã não é reabilitar a Síria, mas fortalecer o eixo do terrorismo xiita nos países ao redor de Israel.

O encontro entre Putin e Assad ocorreu depois que o ministro das Relações Exteriores Yair Lapid, que deveria visitar Moscou com seu homólogo Sergei Lavrov, visitou Moscou na quinta-feira. “O progresso do Irã em direção à capacidade nuclear não é apenas um problema israelense – é um problema para todo o mundo”, disse o ministro Lapid. Tudo incida que uma operação cirúrgica do ocidente está mais perto que nunca. O Washington Post disse que Irã está apenas 1 mês de um caminho sem volta da corrida nuclear e a participação de Biden na Assembléia da ONU pode ser mais um sinal do que está por vir.

A pergunta é quem atacará no Irã? Será a Força Aérea de Israel, dos Estados Unidos ou uma coalisão internacional?