Turquia: Prendemos 15 agentes do Mossad. Será mesmo?

Alegações na Turquia da prisão do que eles chamam de “pessoal do Mossad” em uma extensa operação em várias províncias: De acordo com uma reportagem do jornal Sabah, 200 funcionários da inteligência turca participaram de uma operação que culminou na prisão de 15 funcionários do Mossad em atividade em células turcas por cinco anos. O relatório publicou fotos borradas de alguns dos detidos suspeitos de espionagem para Israel.

Um dos membros das células: Todos os três nele foram anteriormente declarados desaparecidos

A operação de prisão ocorreu há duas semanas, no dia 7 de outubro, em quatro distritos diferentes. De acordo com o relatório, todos os supostos membros do Mossad presos são descendentes de árabes. Uma reportagem em um jornal próximo ao regime de Recep Tayyip Erdogan afirmou que “em troca do dinheiro, eles forneceram à instituição informações sobre estudantes estrangeiros de universidades na Turquia, e especialmente sobre aqueles que poderiam ingressar nas indústrias de defesa no futuro”.

De acordo com o relatório, uma das principais figuras da rede – mencionada no artigo e na foto AB – entrou na Turquia em 2015. Em junho, foi dado o desaparecimento da polícia turca. Como resultado, alegou-se, a célula poderia operar sem interrupção – mas Sabah afirmou que a inteligência turca já o havia seguido. De acordo com o jornal, o mesmo detido estava em contato com um “oficial de campo portando um passaporte israelense vinculado a uma instituição”. Por essa atividade, ele recebeu US $ 10.000 por ano.

Outra pessoa presa – RAA – foi relatada anteriormente como desaparecida. Ele voou para Zagreb, capital da Croácia, no final de junho, onde teria se encontrado com oficiais do Mossad. O terceiro na mesma cela – MAS – voou duas vezes para Zurique, na Suíça, onde teria se encontrado com funcionários do Mossad. Ele também, como os outros, foi declarado desaparecido.

A Turquia disse que é a maior operação de inteligência desde o assassinato do jornalista Jamal Khushkji pelos sauditas em solo turco. Durante um ano, os turcos, por diversos meios, seguiram a mesma rede de espionagem cujo relatório era um dos objetivos de obter informações sobre os palestinos nas universidades da Turquia. A rede também rastreou organizações que operam na Turquia.

O dinheiro foi transferido para membros da rede por meio de empresas de transferência de dinheiro como a Western Union, e às vezes eles também recebiam moedas bitcoin por seu trabalho. De acordo com as denúncias, eles se encontraram cara a cara com oficiais do Mossad – e não em Israel.Além de Zurique e Zagreb, eles também receberam instruções na capital romena, Bucareste, e na capital queniana Nairóbi.

Pois é, será mesmo que são agentes do Mossad ou não passa de propaganda anti-semita do governo de Erdogan? Parece que esta possibilidade é bem mais realista. Vamos tentar entender os fatos:

  1. 10 mil dólares por ano para arriscar a vida como espião é muito pouco
  2. Quando as pessoas são declaradas como desaparecidos e de repente reaparecem e são presos, é por que estavam em cativeiro ou sendo torturados, e não por que são agentes do Mossad, mas sim opositores a ditadura de Erdogan
  3. É comum entre os muçulmanos dizer que as pessoas que se opõe ao sistema são agentes israelenses, na “Palestina” enforcam, crucificam e arrastam pelas ruas homossexuais e opositores da Autoridade Palestina e do Hamas, mas não sem antes acusa-los de espionagem a favor de Israel
  4. Israel não tem nenhum interesse em arriscar desmoronar ainda mais as relações diplomáticas com a Turquia, o custo não valeria a pena.
  5. Erdogan diz que se aproxima de Israel com negociações para normalizar as relações, somente para agradar os europeus e os americanos, mas não tem nenhuma vontade real de que isso aconteça.
  6. Os turcos dizem que alguns deles são árabes, então por que acusar justamente Israel? Erdogan em sua ditadura criou muitos inimigos, e Israel é o menos feroz e sedento de atingir o governante da Turquia.
  7. Além de tudo isso, Israel tem grande interesse em aumentar a normalização com a Turquia, principalmente por que os israelenses gostam muito de viajar para lá. Além disso, muitos trabalhadores turcos e mercadorias turcas chegam a Israel, gerando muita receita para o país de Erdogan, tudo indica que quem mais tem interesse em uma explosão nas relações entre Israel e Turquia é o Irã ou a Síria.

Obviamente este bafafá vai continuar por muito tempo, e as acusações contra Israel só tendem a aumentar, pois Erdogan já viciou os cidadãos da Turquia e a imprensa local em fakenews e discurso anti-semita.