A Conspiração Mundial Que Prospera – A Fraude do Islã

As palavras reveladores de Dr. Daud Hammid nos faz chegar a uma triste conclusão, a conspiração mundial muçulmana está a passos largos e se o ocidente não acordar, veremos o crepúsculo da liberdade de fé, expressão e confissão, a humanidade sucumbirá em um novo período das trevas rumo a auto destruição.

Dr. Daud Hammid lembra ao Mundo: “Não devemos ter ilusões sobre o assunto: nenhuma parte do mundo será excluído agora que o Islã tem poderes nacionais, militares e o poder económico, ele irá tentar expandir a sua religião em todos os lugares, incluindo a comunidade britânica e os Estados Unidos … . “- assim escreveu o teólogo protestante francês Jacques Ellul, em seu livro de 1985, o Dhimmi, um estudo metódico do tratamento dos não-muçulmanos pelo Islã, tanto ao longo da história, bem como em nossos tempos.

Desde então, a previsão de Ellul foi cumprida de uma forma marcante e dramática e é bem provavel que muito além daquilo que ele mesmo imaginava. Financiados com bilhões de dólares de petróleo, os movimentos muçulmanos fundamentalistas do mundo é dirigido e principalmente pela Arábia Saudita e com o apoio de outros países árabes está crescendo a passos largos. O governo saudita, com seus aliados e organizações do ramo, as chamadas organizações de “caridade” e as empresas, foi financiando a coalizão terrorista mundial de organizações terroristas, religiosamente compprometidas a expandir o Islã fundamentalista em todos os lugares. Alvos especiais são os Estados Unidos, Europa e quase todos os outros países desenvolvidos. Tudo isso é feito abertamente, sob a cobertura da proposta de lei democrática e idealismo, o uso de instituições democráticas é a verdadeira conspiração demoníaca islâmica.

Até agora todos nós sabemos sobre Osama bin Laden, de onde ele veio e de onde o seu apoio e financiamento foram maioritariamente obtidos. O que nós tendemos é que Bin Laden não está sozinho, que muitos outros “Bin Ladens” ainda estão lá fora, à espera de seu “momento de glória”. Nem todos eles estão diretamente envolvidos em atentados e assassinatos. A maioria deles apoia a causa islâmica por apresentações prodigiosas na mídia, entrevistas e apresentações de “magnatas e celebridades árabes e as chamados figuras religiosas. A desinformação pró-islâmica, a que estamos agora expostos, contém um grande número de declarações flagrantemente enganosas. Eles vêm junto com uma coleção fascinante de falsificações descaradas e mentiras deslavadas sobre o significado e efeitos do Islã real.

A Propaganda Enganosa é a principal arma do Islã radical, o laço deles aperta o pescoço daqueles que se submentem a eles, a a cobrança do apoio moral e financeiro deles vem a passos largos, se estava pensando em se aproximar desta religião que se auto-declara de paz, corra para bem longe, pois o seu fim é morte, muita morte, terror e sofrimento.

O que é o verdadeiro Islã?
“O Islã não é uma nova religião”, é assim que declaram os fornecedores de desinformação muçulmanos, eles declaram – “que Deus revelou-se através de todos os seus profetas para todos os povos”. Eles deixam de mencionar, no entanto, o fato de que os muçulmanos acreditam que sua religião veio a substituir totalmente a Bíblia, bem como o judaísmo e cristianismo, com tudo o que lhes estão associados, ou que nasceu deles.

E isso é simples e preciso o que o Islã ensina!

De acordo com o Alcorão (livro sagrado muçulmano), nem todos os homens nascem iguais. Muçulmanos se consideram a raça superior do “profeta” e os outros como inferiores. Na verdade, seus textos religiosos dizem que os cristãos e judeus (conjuntamente chamados “povos do Livro”) sconsiderados como “macacos” e “porcos”, esta filosofia se assemelha muito ao arianismo nazista, é por isso que o último Mufti de Jerusalem, o líder muçulmano palestino, fez um acordo com Hitler durante a Segunda Guerra Mundial. Tais passagens, no entanto, são encontradas apenas no original árabe, nunca você lerá isto no Al-Corão em Inglês e Português por exemplo, pois eles são os mestres da mentira e o engano. Estes textos raramente são encontrados em traduções para outras línguas, especialmente em línguas ocidentais.

Como observado neste artigo, o termo “Islam” em árabe não significa “paz” como muitos alegam, mas na realidade significa “submissão”, um jogo-em-palavras para o semelhante-som hebraico da palavra “Shalom”, que realmente significa “paz”. A visão islâmica de “paz” (“salem”)é de um adversário ou “infiel” (não-muçulmano) não significa a coexistência ou cooperação. A definição islâmica de “paz” é a conquista, ou “submissão” do inimigo.

O Islã X o Mundo

Os muçulmanos querem dividir o mundo em dois campos inconciliáveis, o primeiro é “dar al-Islam”, ou “casa do Islã”, que inclui todos os países onde o islamismo prevalece atualmente, e o segundo é o “Dar al-Harb”, ou “casa de guerra “, que inclui todos os outros lugares, que devem ser alvo de seu extermínio. O objeto do Islã e seus seguidores é expandir sua fé (e poder) até que o mundo inteiro está dentro de seu reino e os opositores exterminados. É uma visão global, semelhante ao utilizado no último século pelo comunismo, mas muito mais potente, sendo uma religião, bem como uma ideologia política.

A Guerra Santa do Islão

O veículo para a expansão islâmico é o conceito de “jihad” ou “guerra santa”. Na tradução, eles deturpam “jihad” como “luta” e às vezes “auto-defesa”, mas não é nada disso, se trata de guerra contra qualquer um que não é muçulmano.

Na realidade, o Alcorão ensina que “jihad” é um “dever sagrado”, que compete ao “cada muçulmano”. Há também um programa de recompensas para aqueles que “eliminam” infiéis (que incluem quaisquer não-muçulmanos, cristãos, judeus, hindus e outros). Os mesmos benefícios são concedidos também a todos aqueles que morrem durante a sua participação em campanhas da guerra santa, daí os atentados suicidas tão comuns praticados por eles. Como a traduçãode Yussuf Ali em Inglês o Alcorão afirma: “Deus tem conferido aos que lutam [por ele] com sua riqueza e suas vidas uma classificação acima daqueles que tardam.”

Além disso, “aquele que não tomou parte, ou pelo menos é considerado participante, em uma campanha de jihad até que [ele atinge] no final de sua vida, encontra a sua morte, segurando um ramo da hipocrisia.” Milhões de muçulmanos que acreditam nesses escritos como sendo divinos morreram devido à sua participação nas chamadas guerras santas. Muitas atrocidades terroristas são cometidas por grupos que utilizam a palavra “jihad”, seja em seus nomes ou em sua objetivo. Ao contrário do afirmações que líderes muçulmanos que alimentam continuamente espectadores ocidentais, matando inocentes “infiéis” civis está longe de desobedecer preceitos islâmicos. Na verdade essas ações são iguais a matar soldados ou líderes de outras religiões.

A Fé muçulmana “estranho”!?!

Os apologistas muçulmanos afirmam que o Islã parece estranho para os ocidentais porque o Ocidente é altamente secularizado. “Os muçulmanos têm a religião sempre em primeiro lugar em suas mentes”, dizem eles, o que insinua que os outros não fazem. A verdade simples é que o Islã parece estranho, porque é a pura anti-tese para qualquer outra fé – isto é, totalmente contrário ao conceito ocidental do que uma religião deve ser – especialmente a fé ocidental que são herdeiras da bíblica, e da tradição cristã. Uma religião que considera a guerra como algo santo, não tem nenhuma noção de paz, a paz é considerada inútil e vazia. Também não reconhece o conceito de co-existência ou tolerância.

O Islã é uma religião que ensina que o caminho para o céu e salvação é assegurada através de assassinato. Além disso, promove a escravidão como uma prática sagrada e considera a servidão e humilhação de todas as mulheres, incluindo as próprias mães, como uma ordem divina. É uma fé que busca a destruição de todas as outras religiões (especialmente as que são baseados na Bíblia, que é considerada como uma farsa e um livro satânico) e a subjugação de todas as nações, como seu objetivo santificado. Tal crença pode muito bem parecer estranha para a mente ocidental.

Isso, no entanto, é precisamente o que o Islã é.

Hoje, nas sociedades ocidentais modernas, os poderes da polícia nunca são utilizadas para fins religiosos, os governos não favorecem um grupo religioso em detrimento de outro. Este conceito é totalmente estranho ao Islã. O Islã não faz distinção entre religião e o Estado. Ele aplica o código islâmico como a única lei na terra, tanto religiosos e seculares, assim, de fato, desta forma não coloca ninguém que não é um muçulmano fora da proteção da lei. Em termos práticos, o Islã exige uma teocracia, o que equivale à regra ditatorial da nobreza e do clero muçulmano. É por isso que as democracias são desconhecidas no mundo islâmico e os muçulmanos demonstram tanta hostilidade as sociedades livres. Para um muçulmano fundamentalista, a própria idéia de democracia é uma heresia.

Origem do Islamismo

Os muçulmanos afirmam que o judaísmo (e, por extensão, o cristianismo) junto com o Islã têm uma origem comum no patriarca Abraão. Eles acreditam que foi Abraão, que “estabeleceu o assentamento que hoje é a cidade de Meca [ou Meca] e construiu a Ka’a’ba, para a qual todos os muçulmanos devem virar quando oram.” No entanto, os registros bíblicos indicam que Abraão nunca visitou a Península Arábica. Muhammad sustentou que os cristãos e os judeus – são agentes de Satanás, e é claro – “forjaram” ou “falsificaram” a Bíblia. Ele, portanto, alterou a história bíblica e lançou Ismael (primeiro filho de Abraão e pai tradicional de todos os árabes) como o herdeiro da promessa de Deus, em vez de Isaac – como a Bíblia afirma explicitamente muitos séculos antes da escrita do Al-Corão.

Islã e Jesus Cristo

Quanto a Jesus Cristo, o Islão retrata-o como um profeta menor, certamente não como o Filho de Deus, nem como o Messias e definitivamente não como o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo. Os muçulmanos continuam a oferecer sacrifícios de animais e cerimônias, recentemente em Meca foram sacrificados 500.000 animais.

O cristianismo centra nas ideias da encarnação e da salvação pela fé, sendo que ambos são heresia e blasfêmia para um muçulmano. No Islã, a salvação é pelas obras, não pela fé. Além disso, as “boas obras” não são necessariamente de caridade, atos humanitários de bondade, mas também pode ser o assassinato de “não-crentes”, ou seja, não muçulmanos. Alvos especiais são “o povo da Bíblia”, o eufemismo islâmico para todos os cristãos e judeus.

O fundador do Islã

Em um instante, a cronologia básica de Maomé(Muhammad) na tradição muçulmana e histórica é superficialmente precisa, mas os historiadores não-muçulmanos estão longe de aprovar que ele era de “uma natureza profundamente religiosa”, conhecido por “veracidade, generosidade e sinceridade”, ou “calmo e meditativo”. Na verdade, muito pouco se sabe sobre Muhammad, mas parece claro que ele era o filho analfabeto de um nômade “comerciante” de um sub-chefe de uma tribo árabe. Esta é a maneira árabe de remeter para a ocupação tradicional dos beduínos nômades da Península Arábica Austral. A comodidade no qual eles “negociavam” principalmente escravos humanos. Isso explicaria tanto suas distorções grotescas do relato bíblico – que ele provavelmente recebeu alguma informações distorcidas de alguns membros da tribo, que ele conheceu no caminho – e para sua santificação da escravidão como um modo de vida. Desde as histórias contadas à volta da fogueira tribal no deserto da Arábia relacionados apenas aos heróis bíblicos e suas histórias – e faltava menção de quaisquer ensinamentos bíblicos significativos – Muhammad não tinha noção da moralidade e da ética da Bíblia. Os ensinamentos e valores da Bíblia são, portanto, ausente no Islã. A crueldade e rigidez do antigo paganismo árabe de Maomé é o núcleo do credo do Islã.

Islam – Reversão do cristianismo

Quando Maomé e seus seguidores voltaram para Meca a partir de Medina, ele não o fez, como os muçulmanos afirmam para os ocidentais, “perdoar os seus inimigos”. Na tradição islâmica o próprio conceito de “perdão” é desconhecido, os árabes não conhecem a palavra perdão porque simplesmente ela não existe neste idioma. Em vez disso, a regra de “vingança de sangue” é obrigatória. Enquanto no exílio, Muhammad tinha reunido um grupo de guerreiros saqueadores e deu-lhes uma sanção religiosa para suas atividades. Eles eram chamados de “Os guerrieros místicos” e teve vitórias impressionantes, a tal ponto que os supersticiosos do povo pagão acreditaram que eles eles foram divinamente inspirados.

Aqueles que não aderiram foram prontamente executados.

Em termos teológicos, Muhammad era menos uma figura religiosa e mais um chefe de guerra, um soldado e um tirano. Em contradição com os profetas bíblicos, e um contraste total com Jesus Cristo, seu reino foi de natureza puramente político-militar. Em suma, o Islã dogmatizou os reinos espirituais e seculares em uma teocracia rígida, que não admite desvio. Foi por esta razão que um erudito do século XIX, Ernest Renan chamou o Islã de “as correntes mais pesadas que já algemaram a humanidade”.

“Evangelismo” islâmico – A “Espada do Islã”

Talvez a falsidade mais ousada na representação do Islã e os muçulmanos é a afirmação de que a disseminação da nova fé foi “rápida e pacífica”. É verdade que foi rápida, mas longe de ser pacífica. Seu símbolo mais proeminente é o “Seif el-Islam.” – “A Espada do Islã”. Na verdade, o símbolo mais importante do Islã é, apropriadamente, a espada (ou sabre) e a espada era o principal instrumento de expansionismo islâmico. Na maioria dos casos aos conquistados foram dadas apenas duas opções – conversão imediata ou uma garganta cortada rapidamente.

Uma vez que no Islão os conceitos de “paz” e “submissão” são sinônimos, a “paz” só pode ser alcançada pela submissão total ao Islã. Nenhuma outra forma de paz é concebível para um muçulmano. Portanto, quando os “combatentes” místicos de Maomé subjugam uma nação, eles acreditavam que a “paz” tinha prevalecido. Da mesma forma hoje, a “paz” para um muçulmano significa apenas uma coisa – uma capitulação total de toda a humanidade ao Islã.

A violência e o militarismo não terminou com as conquistas muçulmanas. As facções islâmicas, cada um pretendendo representar “uma verdadeira fé”, têm estado na garganta uns dos outros por séculos. Como o estudioso David Pryce-Jones magistralmente demonstrada em O Círculo Fechado: Uma Interpretação dos árabes, conspiração, intriga e assassinato são a regra e não a excepção no mundo islâmico “.

“Tolerância” islâmica

“É uma função da lei islâmica”, diz os proponentes muçulmanos “para proteger o status privilegiado das minorias, e é por isso que lugares não-muçulmanos de culto floresceram em todo o mundo islâmico.” Aqui deixamos o reino do exagero e a distorção e entramos no reino da mentira imaculada islâmica.

Na realidade, a maior parte das igrejas e sinagogas foram destruídas, vandalizadas, ou completamenteretiradas da lei. Na Arábia Saudita, é ilegal para abrir ou manter uma igreja. Nos países “moderados”, como o Egito, os cristãos não têm sido capazes de obter permissão para reparar suas igrejas ou construir novas por décadas.

A Arábia Saudita não é o único país muçulmano que tem destruído qualquer vestígio do judaísmo e do cristianismo e proibiu todas as práticas religiosas não muçulmanas, mesmo entre os estrangeiros que vivem lá e trazem a riqueza para este país. Em particular, no entanto, a Arábia Saudita fez tudo isso com pouco ou nenhum clamor ou censura do Ocidente por causa de sua influência econômica sobre os Estados Unidos, a Europa e principalmente a ONU.

Além disso, não existe um único caso em todo o mundo islâmico no qual os não-muçulmanos foram dadas igualdade de direitos civis e / ou a liberdade de culto. Enquanto os muçulmanos pregam livremente na América e desfrutam da tradição ocidental de direitos civis, tais atividades são proibidas pelo Islã, que considera a apostasia um crime capital.

No Islã, cristãos e judeus são Dhimmi – cidadãos de segunda classe – e estão sujeitos a leis discriminatórias, duplos padrões, tributação repressiva e cerimônias públicas humilhantes de submissão. Documentação impressionante e conclusiva para essas realidades existem em abundância e estão disponíveis a todos os que se importam para encontrá-los.

Os muçulmanos afirmam que “existem muitos exemplos de tolerância muçulmana em relação a outras religiões” há apenas um exemplo dado: a conquista de Omar de Jerusalém em 634, não um evento que está fresco na mente de muitos. A alegação é de que Omar declarou a liberdade de culto para todos, uma declaração que deve ser aceite apenas na fé, já que não há prova por escrito e de qualquer outra forma que tenha em nenhum momento foi seguido na prática por Omar ou qualquer de seus sucessores, visto que tanto a população judaica como a cristão praticamente se extinguiram naquele século.

Mulheres no Islã

Os porta-vozes islâmicos afirmam que uma mulher muçulmana é “um indivíduo em seu próprio direito” – dificilmente uma grande concessão. Em qualquer caso, a alegação do muçulmano certamente não é confirmada nos escritos do Corão, a lei islâmica (a Sha’ri’ia) ou o tratamento de mulheres nos países muçulmanos. Muçulmanos geralmente evitam discutir o tema das mulheres com “infiéis” – com razão. Em sociedades islâmicas as mulheres são consideradas e tratadas como animais de carga, ou máquinas meramente fértil, sem direito algum.

Elas são vendidas, escravisadas, espancadas, torturadas, desfiguradas e decapitadas até mesmo em praça pública e ninguém ousa falar nada ou interferir, afinal de contas, porá sua própria vida em risco.

Na Arábia Saudita e no Afeganistão, os dois bons exemplos para regimes muçulmanos, proibem as mulheres de conduzir e restringi-las a certas profissões braçais. Além disso, as mulheres devem ser velado em público. A afirmação de que “nenhuma garota muçulmana pode ser forçada a casar contra a sua vontade” é simplesmente falsa. Na sociedade patriarcal islâmica, o pai – não a noiva – escolhe o marido; ninguém jamais considera que o parecer da noiva tem qualquer mérito. Como observado no documentário britânico, Death of a Princess, os muçulmanos executam as mulheres que se casam contra a vontade de seus pais, é comum ver meninas de apenas dez ou oito anos se casando forçadas na Arábia Saudita, depois são estupradas e se tornam escravas por toda sua vida.

Os muçulmanos admitem o óbvio, que o islamismo permite que os homens têm mais de uma esposa. Mulheres muçulmanas, no entanto, não estão autorizados a ter mais de um marido, e qualquer desvio sexual por parte delas é severamente punido, muitas vezes por açoitamento público ou morte, em uma cerimônia realizada toda sexta-feira em cada praça pública.

Muitos países islâmicos também apresentam mut’a, ou “a lei do desejo”. Este sistema de “casamento temporário” é semelhante a prostituição legalizada. Sob essa lei, um homem muçulmano pode contratar um “esposa temporária” por uma quantia fixa de dinheiro. Todos os benefícios deste sistema pertencem ao homem, que pode contratar tantas esposas temporárias como ele o queira. Todas as crianças de uma “esposa temporária” pertencem ao homem. Claro, uma mulher muçulmana não pode contratar um marido temporário. Clérigos islâmicos apoiam a prática de “esposas temporárias” em suas “raízes islâmicas”. Isto simboliza a verdade que, no Islã, todo o sistema de supressão e brutalização das mulheres é visto como de origem divina e tendo a aprovação divina.

Direitos humanos no islamismo

Os muçulmanos afirmam que o Islã “garante os direitos humanos.” A verdadeira questão é se o Islã permite, ou mesmo reconhece o conceito de quaisquer direitos humanos podem ser reclamados, a evidência confirma que o Islã é decididamente o mais hostil ao próprio conceito de direitos humanos. Um delegado árabe muçulmano às Nações Unidas uma vez afirmou no registro: “o conceito de direitos humanos é uma noção imperialista ocidental degenerada”.

Um relatório da Anistia Internacional especifica violações maciças e sistemáticas dos direitos humanos em praticamente todos os países islâmicos. Eles incluem: a tortura, prisão e detenção sem acusação, punição cruel e incomum, amputação de partes do corpo, a pena capital(assassinato) para a dissidência política e religiosa, o abuso sexual e violência em massa contra as minorias Em nenhum lugar do mundo islâmico há liberdade de expressão, liberdade de culto , liberdade de imprensa, liberdade de reunião e de associação, ou mesmo a verdadeira liberdade de imprensa. Sem essas liberdades preciosas, qualquer conceito de direitos humanos não tem sentido.

A escravidão e o racismo muçulmano

Os defensores do Islã evitam o fato de que o Alcorão e a lei religiosa muçulmana chamada “Sha’ri’ia,” não apenas permite, mas de fato perpetua e santifica a escravidão. Na verdade, eles comandam que os filhos de mulheres escravas permaneçam escravos do nascimento à morte. Nenhum país islâmico pode aceitar o Islã como a religião do estado e o Corão e a “Sha’ri’ia” como a lei na terra, assim como a Arábia Saudita, e abolir a escravidão, ao mesmo tempo. A instituição da escravidão é muito arraigado na lei islâmica. É por isso que a escravidão é comum em quase todos os países muçulmanos, embora oficialmente o fato é veementemente negado.

A Arábia Saudita anunciou a sua intenção de abolir a escravidão, em meados da década de 1960 – um século depois do resto do mundo. Há provas contundentes, no entanto, que este anúncio foi apenas um gesto de relações públicas, e a escravidão na Arábia continua inabalável.

Como o professor Gordon Murray mostra de forma convincente em seu livro A escravidão no mundo islâmico, os árabes foram os principais senhores de escravos e comerciantes ao longo dos séculos, concentrando os seus esforços na África negra. Eles ainda são. De fato, em árabe falado, as palavras “negros” e “escravos” são as mesmas.

As mulheres eram também alvos principais e escravizadas para o uso como objetos sexuais, e não somente nos haréns de árabes ricos e da realeza islâmica. Em todos os casos, os não-muçulmanos eram os principais candidatos para a escravidão porque o Islã os considera inferiores.

Ressalte-se que esta não é apenas uma questão de história, mas da prática em curso hoje. Relatórios recentes mostram como a ditadura islâmica do Sudão – como parte de suas campanhas brutais contra os sudaneses cristãos no sul – foram e escravizaram os filhos da tribo Dinka e outras comunidades cristãs. Infelizmente, a imprensa mundial tem mostrado pouco interesse na história.

Lei Islâmica

De acordo com a campanha de relações públicas os muçulmanos “, o Islã” acredita que a Lei Divina, o “Sha’ri’ia”, deve ser levado muito a sério “. Isso é verdade e constitui a principal razão por que o Islã se choca tão fortemente com a sociedade ocidental. Quando eles estão lidando com um público ocidental, os muçulmanos propositadamente esquecem de mencionar o que esta suposta lei divina os ordena.

O “Sha’ri’ia” é um vômito da Idade das Trevas, um rígido código, bárbaro, que exige decapitações, desmembramentos, e açoitamento público de uma série de crimes. O “Sha’ri’ia” não contém qualquer presunção de inocência, permite o direito de conselho ou recurso, e permite execuções sem julgamento. Em termos práticos, o acusado está à mercê de clérigos islâmicos. Neste sistema, os muçulmanos e não-muçulmanos não podem esperar nenhuma justiça.

Por isso, não se deve haver nenhuma surpresa execuções públicas baseadas na lei islâmica, isto constituem uma espécie de esporte e show público, especialmente na Arábia Saudita. Às vezes, o carrasco corta o prisioneiro para extrair o sangue antes de executar a sentença, um ato de crueldade desnecessária. Um assistente, em seguida, esfaquea a vítima nas costelas, corta a cabeça e com uma vara sacode a cabeça para cima, para atingir com a espada ou machado cair. Os fluxos de sangue correm e a multidão de espectadores aplaude.

Os muçulmanos afirmam que nas sociedades islâmicas as minorias têm o direito aos seus próprios tribunais. Isto é uma mentira deslavada. O “Sha’ri’ia” é imposta a minorias não-muçulmanas em lugares como o Sudão, a Arábia e o Egito.

Uma Religião Primordial do Mal?

Nos tempos modernos, os muçulmanos tornaram-se em sintonia com o tipo de coisa que os ocidentais querem ouvir. Por exemplo, eles escrevem que o Islã se considera a “religião primordial”, que “pretende voltar para a sua verdadeira natureza original, no qual ela está em harmonia com a criação, inspirar a fazer o bem, e confirma a Unicidade de Deus”. Eles até mesmo incluem um conto em que os pecados do homem foram perdoados, porque ele deu água para um cachorro. Este tipo de pabulum espiritual é muito mais palatável para os ocidentais modernos do que a dura realidade do derramamento de sangue legalizado pela lei “Sha’ri’ia” ou o ódio religioso da jihad. Na prática, o respeito do Islã para a criação de Deus está muito em dúvida.

Eles dizem que as regras do islã de guerra supostamente incluem “proibições contra ferir civis e contra a destruição de colheitas, árvores e animais”. Esta é mais uma mentira descarada. Essa proibição jamais existiu no Islã.

O fato é que o terrorismo islâmico contra os EUA, Israel e outras nações integrou tudo isso em abundância. Terroristas muçulmanos assassinam milhares de civis desarmados, indefesos. O Iraque islâmico já matou milhares de curdos indefesos com gás venenoso, não poupou mulheres, crianças e até mesmo gado das vítima, O Irã matou milhões de iraquianos, o ISIS decapta pessoas a torta e a direita e ainda publica tudo na internet afim de espalhar o terror islâmico. Também é difícil entender como o abate sacrificial de meio milhão de animais na Arábia Saudita se enquadra ao respeito à vida dos animais. O Islã nunca teve nenhum respeito pela vida, qualquer forma de vida, incluindo a vida de seus próprios crentes.

Resumo

Contrariamente às alegações de propagandistas muçulmanos, o Islã é uma religião relativamente nova, adaptada pela maior parte pelos costumes de longa data e práticas neo-pagãos, na península Arábica. Não é inclusiva, mas exclusiva e sectária. Não é pacífica, mas glorifica a guerra e a conquista. Não é tolerante, mas considera todas as outras religiões inferioesr e, finalmente, tem o objetivo de eliminá-los. Não é libertadora, mas escravizando – tanto no espiritualmente e fisicamente. O Islã não respeitar os direitos humanos, mas é hostil ao próprio conceito. O Islã é intrinsecamente repressivo e teocrático e não pode acomodar pensamento democrático ou ação.

O imperialismo islâmico está em ascensão. Assim, não é de fato uma grande necessidade de cristãos e judeus para entender o Islã e os muçulmanos. Deve-se evitar a publicidade enganosa dos xeques bilionários. Em vez disso, os cristãos devem avidamente procurar a verdade sobre a ameaça mais perigosa de hoje, a civilização judaico-cristã ocidental.

Este artigo original foi escrito por Dr. Daud Hammid, traduzido e adaptado pelo Cafetorah.com

Artigo original: http://www.hope-of-israel.org/fraudis.html

Os comentários estão encerrado.