Aspectos da 4ª Parashá וירא Vaierá ou, Ele Mostrou-se!

pelo Rav J. Pietro B. Nardella-Dellova, darsham

da Sinagoga Sêh HaElohim

Textos:
Parashá: Vaierá (Bereshit (Gênesis) 18 à 22;
Haftará: Tehilim (Salmos) 11

ASPECTOS DESTA PARASHÁ:

HaShem se revela e faz promessa a Abraham
A mudança do nome de Sarai שרי para Sara שרה
D'us anuncia a destruição de Sodoma e Gomorra
A origem dos Moabitas e dos Amonitas
Sara e Abimelek
Y’tschc יצחק e Ishmael ׳שמעאל
Abraham entre dois “lech lechá” que o conduzem! 12:1 e 22:11
A prova de Abraham (sacrifício de Y’tschc)
A promessa a Abraham avinu – 22: 15-18

Baruch atá HaShem, maguen Abraham

nas bênçãos do Eterno e na Luz do Mashiach

5 novembro 2004 – 21 Cheshvan 5765

Uma curiosidade ou, esclarecendo Bereshit (Gen.) 18: 7 e 8 ou, a questão da carne com leite em Abraham

Há nesta Parashá dois versículos que podem ser esclarecidos. Os textos são os abaixo mencionados:

ואל הבקר רץ אברהם
ויקח בן בקר רך וטוב ויתן אל הנער וימהר לעשׁות אתו

ve'el habaqar rats avraham
vaiqach ben-baqar rach vathobh vaiten el-hanach vaimaher la’asoth otho

ויקח חמאה וחלב ובן הבקר
אשׂר עשׁה ויתן לפניהם והוא עמד עליהם תחת העץ ויאכלו

vaiqach chemah vechalab vuben habaqar
asher asah vaiten liphneyhem vehu omed aleichem tachath ha’etz vaiokhelu

Não foi apenas creme (chemah) (manteiga/coalhada), e leite e, depois, a carne do bezerro que os visitantes de Abraham avinu comeram/beberam. Antes disso Abraham, de abençoada memória, pediu que Sarah preparasse três pães/tortas. E, provavelmente, beberam água e lavaram-se os pés.

A narrativa é breve e concisa encerrando muitas situações daquele dia em poucas linhas não necessariamente ordenadas, pois o mais importante, no caso, não era o alimento sobre a mesa, e sim a visita que Abraham e Sarah receberam, cujo resultado seria o que somos hoje! Abraham e Sarah foram imensamente hospitaleiros com os emissários.

O fato de Abraham avinu pedir à Sarah que fizesse tortas/pães não significa que ela tenha feito. Rashi explica que ela fez, porém, ficou menstruada e a massa foi (por ela) considerada impura (pois não consta que eles tenham comido tais tortas)

Rashi afirma tal situação embora não encontremos nada na Torá que expressamente relate o fato, mas não é difícil imaginar que ela tenha ficado menstruada, pois, não acontecesse isso, não poderia “a posteriori” engravidar (e o mensageiro do Eterno disse que a visitaria depois de um ano). Não nos esqueçamos que o fundamental na passagem, o mais relevante e expressivo é a possibilidade de Sarah engravidar e trazer ao mundo a continuidade de Abraham avinu.

Bem, o creme (manteiga/coalhada/gordura do leite) foi trazido. O leite também foi trazido. A carne preparada foi trazida (não por Abraham, lógico, mas por seus serviçais)

Mas não está escrito que eles comeram tudo ao mesmo tempo, pois o mais natural a
pensar é que eles comeram o creme (manteiga/coalhada) e beberam o leite e depois comeram a carne, considerando que esta tinha que ser devidamente preparada, limpa, cortada e cozida (tudo após a degola do animal)

É conhecido de longa data que quaisquer pessoas que chegam em nossas casas são recebidas com aperitivos, algum suco, uma “entrada” e depois o prato principal é
servido.

Na Itália, por exemplo, o costume de minha família era singular e parecido com esta hipótese. Todas as vezes que chegava alguém, era oferecido um período de descanso e recuperação de viagem, depois bolinhos de queijo/ mozzarella di bufala e depois, com o tempo oportuno, alguma carne ou pasta etc… Ainda hoje, quando viajo para aquelas terras, somos recebidos com a famosa “tábua de queijos” e algum tempo depois nada me
impede de comer, também, carnes.

Para o efeito das Leis de Dietéticas continuamos sem misturar leite/derivados com carne/derivados, cumprindo, assim, uma Mitzvá (de não cozinhar o bezerro no leite de sua mãe)

Aqui, quando estamos em alguma reunião, digamos, um aniversário, em
que carnes são servidas e outros itens alimentares como o bolo (no qual vai leite), procedemos e ensinamos a proceder da seguinte maneira: coma a carne e depois de um certo tempo, pare de comer carne para se preparar para ingerir o bolo.

Creio que nosso pai Abraham não esperaria que seus visitantes esperassem com fome. Não era o procedimento dele nem o nosso, aliás de nenhuma família minimamente educada. Creio que poria sobre a “mesa” os primeiros pratos (naquele caso, creme e leite)e, depois mandaria servir a carne preparada.

nas bênçãos do Eterno e na Luz do Mashiach

_________________________

© Rav J. Pietro B. Nardella Dellova, 43, Mestre em Direito pela USP (A Crise Sacrificial do Direito: um estudo de René Girard, Martin Buber e Rabi Yeshua). Mestre em Ciências da Religião pela PUC/SP (A Palavra Como Construção do Sagrado: um estudo da Poesia em Heidegger, Osman Lins e a Torá). Pós-graduado em Direito Civil (Os Direitos da Personalidade). Pós-graduado em Literatura Brasileira (A Palavra Multifacetada: do grau zero e outros graus da palavra). Formado em Filosofia e em Direito. Poeta e Membro da União Brasileira de Escritores – UBE. Autor dos livros: AMO, NO PEITO e ADSUM. Ex-membro da Comissão de Bioética e Biodireito da OAB/SP. Darsham (predicatore) e Rav (Mestre) da Sinagoga Sêh HaElohim (originada da Sinagoga Scuola (Beit HaMidrash), Lazio, Itália). Membro ativo da Ordem dos Advogados do Brasil e da Associação dos Advogados de São Paulo. Consultor e Palestrista. Professor de Direito Civil, Ética e Filosofia do Direito em São Paulo. Coordenador e Professor dos Cursos de Direito da Faculdade de Jaguariúna e da Faculdade Policamp. Coordenador e Professor dos Cursos de Pós-graduação em Direito Empresarial das mesmas Instituições, em SP.

veja outros textos em:
http://www.faj.br/artigos.php
http://www.policamp.edu.br/artigos.html

e-mails para contato:
[email protected]
[email protected]