Beith Guvrin – Tel Maresha, um mundo de mistérios subterrâneos.

Beith Guvrin está situado na Hashfelat Yehuda, em uma região de colinas cuja composição é de rochas calcárias suaves, o que permitiu a escavação de centenas de cavernas e porões ao longo da história, tornando o local em um mundo misterioso e impressionante por debaixo do solo.

Ao lado uma das principais cavernas columbarias, utilizada como armazém, local de criação de pombas e culto.

Hoje, Beith Guvrin é um parque nacional composto de uma natureza exuberante e ruinas arqueologicas impressionantes. Na região central do parque está situada a colina Tel Morashah, que foi uma grande cidade hebraica no tempo do rei Reoboão, filho de Salomão. Mesmo em outras épocas houveram alí diversas cidades prósperas e grandes.

Passeando em Beith Guvrin

Para chegar ao local, veja no mapa abaixo porque estradas se dirigir, no topo esquerdo do mapa está Tel-Aviv e do lado esquerdo Jerusalém, e em baixo, Beith Guvrin, o que poderá facilitar-te a se localizar.

Na região existem cerca de 80 cavernas em forma de sino, bem iluminadas, porisso, não há necessidade de trazer lanternas durante o passeio que é feito de dia.

Além das cavernos dos sinos, há também uma caverna sidônica exuberante, escavada na rocha para sepulcros, local utilizado em filmagens sobre a Terra Santa.

Ao lado, interior de uma das cêmaras da caverna dos sidonios.

Caverna dos Poloneses

Esta caverna chama-se assim pelo fato de soldados poloneses terem visitado o local em 1943, terem deixado alí desenhos e uma inscrição, “Varsóvia, Polônia” em uma coluna situada no centro da caverna.

Ao lado a caverna dos Poloneses.

A caverna dos poloneses era iniciamente um poço de água e posteriormente foi transformada em um columbário.

O Grande Columbario

O Grande Columbario é uma das mais impressionantes descobertas alí, nele podiam ser criadas mais de duas mil pombas, que eram utilizadas tanto para alimentação como para culto como oferta ao Senhor.

Ao lado uma das principais cavernas columbarias, utilizada como armazém, local de criação de pombas para alimento e culto.

Cavernas em forma de Sinos

As cavernas que não são naturais, são simplismente impressionantes, na região existem mais de 80 e podem ser visitadas passando de uma para outra.

A técnica consistia em abrir um pequeno poço na rocha até chegar em sua camada mais suave, o que permitia a escavação em seu interior retirando o calcário. As maiores chegam até 15 metros de profundidade e o visitante ainda pode ver parte das aberturas que foram feitas ao serem construídas.

Além da construção impressionante, o visitante pode observar alí os efeitos da luz do sol penetrando em uma região com diferentes camadas geológicas, uma verdadeira preciosidade.

Apesar de Beith Guvrin e Tel Morasha serem muito antigas, antes da era cristã, nas cavernas foram encontradas inscrições em arabe e sinais de cruz, demosntrando que estas foram escavadas bem mais tarde, entre o século VII e VIII da era cristã.

Veja na foto aérea abaixo a distribuição dos pontos de interesse e bom passeio. Diretoria do Cafetorah.

Atenção, esta matéria e uma exclusividade do Cafetorah.com, todos os direitos estão reservados, a reprodução sem autorização está sujeita as penas da lei de direitos autorais. Caso deseje utilizar este artigo em alguma publicação, entre em contato com a diretoria, clique aqui.