Ein Kerem, Cidade de João Batista

Ein Karem é sem dúvida alguma uma das localições mais interessantes de Israel onde judeus e árabes vivem lado a lado, em uma comunidade praticamente baseada em torno do turismo local, ela atrai para si artistas, personalidades e amantes da arte e da música.

O local foi habitado desde o período cananeu, no XIV século AC. Casas vazias foram construídas pelos imigrantes, e com a expansão de Jerusalém, a aldeia foi declarada como um bairro da Cidade Santa.

O local ainda hoje permanece bairro rural, devido ao descolamento relativo da cidade e por ser cercado por montanhas, vales e florestas. Ein Kerem também é considerado um local sagrado e um lugar de peregrinação para o cristianismo, porque é conhecido como o local de nascimento de João Batista, e onde um número de igrejas e mosteiros, atraem a presença de muitos turistas.

Antiguidade

Ein Kerem era uma colônia agrícola por mais de 3.000 anos. Escavações arqueológicas em restos de construções que foram descobertos da Idade do Bronze, o período cananeu primério. A maioria dos estudiosos identificam-na com a Casa da Vinha bíblica (Ein Kerem). No Livro de Gênese, Ein Kerem pertencia a terra de Judá, e é mencionado na Septuaginta como Kerem. O profeta Jeremias menciona um vinhedo e profetiza contra a vinda do inimigo na terra de Judá:.

Fugi para salvação vossa, filhos de Benjamim, do meio de Jerusalém; e tocai a buzina em Tecoa, e levantai um sinal de fogo sobre Bete-Haquerém; porque do lado norte surge um mal e uma grande destruição.

Jeremias 6:1

O profeta chama para acender as tochas em alta montanha domina sobre Ein Kerem (hoje conhecido como Monte Ora”) para chamar Ajuda. Em um período posterior ela é mencionada como uma cidade cujos moradores participaram de um importante distrito de Jerusalém por Neemias. Tal como foi descrita na Mishná como uma fonte de pedras.

De acordo com a tradição cristã, a partir do IV e V século, Ein Karem é a Cidade de Judá onde está o local do nascimento de João Batista que nasceu de Elizabeth e a família de sacerdotes que serviam no Templo no início do primeiro século. Durante o período bizantino, as igrejas período relacionadas foram construídas em nome de João Batista e sua família, e até hoje é considerado um lugar sagrado para o cristianismo, e um local de peregrinação.

Idade Média

Durante o período dos cruzados, o local foi chamado de aldeia “São Z’ihn de-Boah”.

No final do século XV o franciscano Soriano que esteve no local escreveu: “Ein Kerem já foi uma cidade, mas agora é apenas uma aldeia, que tem 25 casas, na aldeia fica a magnífica igreja de São João Batista, além da capela, onde ele nasceu, o que está em nossas mãos, e nos reservamos. Bem próximo está o lar da Santa Elizabeth … a casa tornou-se uma igreja, e quando eu estava no comando ela ainda estava intacta, mas esse ano entrou em colapso e foi reconstruída … o clima de Ein Kerem é agradável, rica em frutas, videiras e oliveiras;., é agradável e há muitas fontes, a mais importante das quais é a de Maria, onde foi lavado o vestido de São João, e está a poucos passos da casa de Zacarias [pai de João Batista] “[. De acordo com documentos otomanos, em 1596 populaçãoera de apenas 160 habitantes.

Nos tempos modernos

Desenvolvida no século XIX, tornou-se um lugar de peregrinação para os cristãos de todo o mundo. Segundo o censo de 1931 haviam Ein Karem 2.637 habitantes, dos quais 2.171 muçulmanos, 432 cristãos e 34 judeus. A maioria deles eram agricultores. Os árabes aldeões atacaram os bairros judaicos nas proximidades e, em particular, no bairro do Bayit Vegan. Entre 1936 e 1939, foi o centro das forças comandadas por Abdul -kadr al-Husseini.

Um censo das aldeias em Israel, em 1945, a população foi estimada em 3180 habitantes, dos quais 2.510 muçulmanos e cristãos 670. A área da vila era estimada em 15.029 hectares pelos otomanos, dos quais 1.362 foram comprados por judeus. Era uma grande aldeia do distrito de Jerusalém, tanto em tamanho e tamanho da população. Havia um conselho local, duas escolas primárias, uma livraria, uma farmácia e um cinema.

Guerra da Independência

No início da Guerra da Independência, em janeiro e fevereiro de 1948, Aharon Haim Cohen, fundador do departamento de executivo do mundo árabe,declarou em relação aos acordos de paz com uma série de aldeias nos arredores de Jerusalém, e os aldeões se aproximaram dele e sugeriram que queriam assinar um acordo formal de paz. Cohen suspeitava que era uma tentativa por parte de Abd al-Qadir al-Husayni, mas observa que na mesma semana os moradores se recusaram a abrigar temporariamente o Al-Husseini e seus guerreiros. De acordo com a avaliação de Salman Abu Sth viviam ali na aldeia, naquela época 3.689 habitantes.

Além disso estavam baseado os combatentes iraquianos em Ein Kerem. Após o massacre de Deir Yassin, que ocorreu em 9 de abril, mulheres e crianças foram evacuadas da aldeia de al-Walaja, Beit Jala e Belém. Durante os dez dias de combate nas aldeias, a IDF havia conquistado o sudoeste de Jerusalém, onde Ein Karem foi ocupada em 18 de julho pelo pelotão Jonathan. O último dos moradores da vila e os lutadores amandonaram entre 11 e 16 de julho quando as forças israelenses tomaram o controle das colinas que dominam a vila de Beit Mazmil e al-Hamama.

Depois da Guerra da Independência

Ein Kerem foi uma das poucas aldeias ainda de pé após a guerra. Cinco meses depois, em dezembro de 1948, abrigava refugiados judeus na aldeia, cerca de 150 famílias, muitos deles sobreviventes e famílias que fugiram de países árabes durante o Holocausto. Além disso, a área da aldeia foi anexada aos limites municipais de Jerusalém, assim como outras aldeias árabes vizinhas desocupadas de seus habitantes – Lifta, al-Maliha e outras. Nas terras em redor foram estabelecidas de Zayit e Safira em 1949, a escola agrícola e Kiryat Menachem em 1950.

Ao longo dos anos, muitos de Israel e em especial de Jerusalém encontraram o charme rústico e pitoresco do bairro, e gradualmente os moradores foram substituídos por novos imigrantes de Profissões liberais, artistas e população influente.

Nos anos 60 do século XX foi construído ao lado do Centro Médico Hadassah, que inclui o Hospital Hadassah University de Ein Karem, a Faculdade de Medicina da Universidade Hebraica, a Faculdade de Farmácia e de Medicina Dentária e a Escola de Enfermagem. O objetivo era “atrair” o desenvolvimento da cidade para o oeste, mas, depois da Guerra dos Seis Dias que mudou as prioridades sobre os rumos do desenvolvimento da cidade, e para os próximos anos Ein Karem permanece uma aldeia pastoral e remota, longe do boom de desenvolvimento da cidade.

Hoje, Ein Kerem é uma atração turística, e muitos visitantes vêm de Israel e no exterior. Cheais de cafés, restaurantes e hospedagens. Em 2010 viviam cerca de 2.000 pessoas ali. Nos últimos anos, os moradores vem lutando contra os os programas de construção em Ein Kerem, que podem prejudicar o seu caráter rural tranquilo.

A Vila de Ein Karem se desenvolveu em torno de suas fontes, a principal delas é a Fonte de Miriam que é considerada sagrada até hoje e visitada por milhares de turistas todos os anos;

Além disso, o vilarejo conta com uma grande porsperidade agrícola, vinhas, pomares e oliveiras estão espalhadas por todos os terraços nas encostas das montanhas em volta de Ein Karem.

No final do inverno e no começo da primavera Ein Karem se enche de flores e as amendoeiras que florencem tornam o vilarejo em um luar encantado.

Não importa qual seja a época do ano, o clima em Ein Karem é bem ameno. Mesmo no verão é aconselhável um bom agasalho durante as noites frias no vilarejo, no inverno, vá muito bem preparado.

Video Ein Karem