Judeus contra Judias, a briga pelo judaísmo no Muro das Lamentações

Entenda melhor os conflitos de judeus contra judias do movimento as “mulheres do Muro das Lamentações“. The Western Wall Heritage Foundation que é a Fundação para Herança do Muro das Lamentações, a administradora do local, declarou: “Eles tentaram introduzir um rolo da Torá”

No último minuto, os membros do Knesset cancelaram sua chegada, mas o confronto na praça do Muro das Lamentações não foi evitado. Centenas de pessoas hoje participaram de duas manifestações realizadas no local sagrado. O evento ocorreu em torno da oração tradicional de Rosh Chodesh realizada no local das mulheres do Muro das Lamentações, que alegaram ter sido atacadas.

Judeus contra Judias: A Western Wall Heritage Foundation que é basicamente gerenciada por judeus ultra-ortodoxos. Portanto, o fundação está contra as judias do movimento reformista. Eles afirmaram que as mulheres do Muro das Lamentações “agiram em violação dos regulamentos e tentaram inserir rolos de pergaminho da Torá. Em forma de manifestação. Além disso, foi feita uma tentativa de inserir um rolo da Torá em violação dos procedimentos locais.”

Outros incidentes de Judeus contra Judias no Muro das Lamentações

Durante Rosh Chodesh Adar em junho de 2021, no Muro das Lamentações, que teve a participação de centenas de mulheres e homens. Estava ali o um grupo denominado “Mulheres do Muro – Nashot Hakotel”. Durante a oração, uma delas feriu uma das mulheres que estava orando. A mulher que foi machucada apresentou uma queixa à polícia contra o golpe.

Portanto, este evento é mais um, adicionado à carta enviada ontem ao ministro de Assuntos Religiosos, o rabino Yitzhak Vaknin, por representantes de Mulheres para a parede, que perguntou: “Quem vai proteger as mulheres e meninas durante a oração de Rosh Chodesh Adar, da violência, das mulheres de provocação(Nashot Hakotel)”.

A carta descrevia a violência que as “Mulheres do Muro” usam contra outras mulheres que estão orando, e o fato de que os seguranças no local não estão intervindo na questão. A carta terminou com a pergunta: “Será que dezenas de milhares de mulheres que desejam rezar não têm direitos?”

O setor conjunto que foi criado para manter os lugares santos no mesmo status, sem permissão para uso, e como resultado, na situação atual não é possível proibir as ações das Mulheres do Muro, que causam provocação em cada mês.

Sendo assim, o diretor disse: “Hoje, como no mês passado, centenas de homens e mulheres vieram para o primeiro dia do mês no Muro das Lamentações. Eles estavam em frente à uma minoria degradante, provocativa e violenta, fazendo assim, elas contaminam o Muro. Hoje nós encontramos a violência de sua parte. Esta situação deve mudar, e pedimos ao ministro de Assuntos Religiosos de alterar os regulamentos. Que o Rabinato Chefe havia pedido já no verão anterior.

Regulamento proíbe as mulheres de fazerem uso da Torah

Reflita você mesmo sobre a tentativa das mulheres de mudarem o status quo no judaísmo. Os regulamentos no Muro das Lamentações devem permitir a oração somente de acordo com a tradição e de acordo com a lei judaica. Somente de acordo com o Rabinato Chefe de Israel “. Mas as chamadas Mulheres do Muro querem usar kipá, usar talit, tocar shofar, em fim, fazer o que os homens fazem, e a briga vai continuar.

Judeus contra Judias em Jerusalém
Judeus contra Judias no Muro das Lamentações