A Ocupação da Tribo de Simeão no Deserto do Negev e a Arqueologia Moderna

Acima a Montanha do Negev, fotografia: Miguel Nicolaevsky

Acima, Deserto do Negev e a Cratera de Ramon, território da Tribo de Simeão.

O Arqueólogo Israelense Yehuda Guvrin está fazendo história, mesmo sendo ateu ele está comprovando aquilo que a Bíblia no ensina sobre o Povo de Israel e sobre as tribos de Israel, em especial a Tribo de Simeão. O artigo a seguir foi publicado por ele para a Autoridade de Antiguidades do Estado de Israel com contusões assustadoras de um homem que já está envolvido no processo de pesquisa arqueológica no Deserto do Negev a mais de 20 anos, local onde mora.

Por Yehuda Guvrin para a Autoridade de Antiguidades de Israel

  1. O processo de ocupação da tribo de Simão

    O processo de ocupação da tribo de Simeão, no sul é descrito em I Crônicas 4 segundo a qual a ocupação começou no Negev oriental na região entre Arad / Harama no leste e Beer Sheva, no oeste (Verso 28: “Eles habitaram em Beer-Seba, Molada e Hazar-Sual …), e existiu até o início do Reino Unido (Verso 30: “Estas foram as suas cidades até que Davi reinou”).
    Devido a pressões demográficas (Verso 38: “aumentou consideravelmente”), as famílias Simão expandiram sua área de subsistência para as planícies do oeste do Negev e Nahal HaBesor (Verso 39: “Eles viajaram para a entrada de Gedor, ao lado oriental do vale, em busca de pasto para os seus rebanhos “). Outra fase no assentamento da tribo ocorre quando as famílias da tribo de Simeão expandiram suas áreas de habitação para o sul (Verso 42: “E alguns deles, quinhentos homens dos simeonitas, foram para o monte Seir”). A ocupação Simeão em Mount Seir, encontrou os remanescentes das tribos amalequita que foram expulsos do Negev pelo Rei Saul. As tribos nômades amalequitas foram destruídos por Simeão que transformam o Mount Seir em uma nova área de subsistência para eles (Verso 43: “e eles destruíram o restante dos amalequitas, que havia escapado, e eles habitaram ali até hoje”).

  2. A Localização Geográfica e Identificação de Mount Seir

    A maioria dos estudiosos da Bíblia e geografia bíblica identificaram Mount Seir como sendo nas montanhas de Edom, a leste do Arava. E que é também onde esse nome aparece em mapas geográficos.
    Uma leitura cuidadosa do texto bíblico sobre o Monte Seir levou-me a tirar a conclusão de que o local atualmente aceito como Mount Seir ao longo da montanha alta do lado leste do Arava está incorreto. Em minha opinião o Monte Seir da Bíblia devem ser identificado na gama alta montanhosa localizada no “Negev Central” (de acordo com a definição moderna) e refere-se hoje como o “Montanhas Altas do Negev”. Esta área de subsistência, localizada no coração do deserto no sul, tem diferentes características geográficas e de ocupação diferente das regiões desérticas que a rodeiam. O Bíblico Monte Seir (Negev Highlands) é um enclave Irano-Turani que surge a partir do Negev Bíblico diferente da região do deserto de Saharo-Sindi. Estas regiões de subsistência, que são definidos como desertos, facilitam uma economia baseada no pastoreio de ovinos e caprinos por populações nômades e semi-nômades.

  3. A identificação dos construtores de “Fortalezas israelitas”

    Um dos fenômenos fascinantes da arqueologia do Negev Highlands / Mount Seir é a extensa ocupação israelita utilizando o modelo de ocupação referido como: “a fortaleza israelita na Montanha do Negev”.
    Quanto à identidade dos construtores destas fortalezas estudiosos têm sugerido várias propostas, como amalequitas (Rothenberg), os reis de Israel e Judá (Aharoni), assentamento nômade (Finkelstein), um projeto iniciado pelo Reino de Israel (Meshel, Cohen e Herzog) e edomitas (ITAM). Cada um dos estudiosos tem suas próprias razões.
    Todos os pesquisadores apontam para os laços extensos que os habitantes das fortalezas nas Montanhas do Negev mantinham com os assentamentos do Vale de Beer Sheva, principalmente nos aspectos relacionados com a arquitetura e cerâmica.
    Sugiro que o início do povoamento das fortalezas nas Montanhas do Negev, o biblico “Mount Seir”, deve ser atribuído às famílias da tribo de Simeão que durante a destruição dos remanescentes dos amalequitas expandiu suas áreas de subsistência para o sul e para o Monte Seir da Arava, a Montanha do Negev. Numa fase posterior, as fortalezas reais foram construídas no Mount Seir como parte da luta pelo Reino de Judá contra Edom e em um esforço para tomar o controle das estradas para o Mar Vermelho.
    A identificação geográfica da Montanha do Negev como o Monte Seir bíblico e a identidade da Tribo de Simeão como os primeiros construtores das “fortalezas israelitas” é provável um grande avanço no estudo do período, a região e os seus habitantes.

Mais imagens da região da tribo de Simeão.

Tradução: Miguel Nicolaevsky, Israel, 2016.

Os comentários estão encerrado.