INQUISIÇÃO: Resumo dos processos inquisitórios contra a família Chaves

LUÍS DE CHAVES, mercador, trapeiro, ou paneiro, natural de Múrcia, (Castela – Espanha), vivia em Trancoso em 1639 e em 1642 já era casado com INÊS NUNES ou Rodrigues, natural do Teixoso ou de Múrcia, filha de Jerónimo Nunes, paneiro e mercador e de Beatriz Rodrigues.
Faleceu em Nossa Senhora da Fresta em 6 de Novembro de 1658, (onde jaz sepultado com lapide) deixando viúva Inês Nunes. Esta foi processada pela Inquisição em 01/10/1663-26/10/1664 (Inquisição de Coimbra, proc. 2083), acusada de Relapsia em judaísmo; Heresia; Apostasia. Filhos:

Diogo Rodrigues Chaves, mercador, foi sentenciado pela Inquisição em 1667. Casou com Branca Rodrigues de Oliveira, natural de Trancoso, acusada de Judaísmo; Heresia; Apostasia, teve processo a 08/11/1663-26/10/1664. FOI PASSADO À RÉ TERMO DE SOLTURA E SEGREDO EM 1664-10-28; DEPOIS DE RECONCILIADA, CONFESSOU MAIS CULPAS EM 1664-11-14; EM 1664-11-15, FOI-LHE DADA LICENÇA PARA IR PARA A SUA TERRA (TRANCOSO); EM 1666-05-23, FOI-LHE TIRADO O HÁBITO PENITENCIAL, COMUTADO EM PENITÊNCIAS ESPIRITUAIS. Era filha de Maria de Oliveira e de João Rodrigues Soares, mercador.

Luís de Chaves. Foi mercador. Não tendo ofício, foi processado pela Inquisição em 1685.

3-Leonor Rodrigues, teve processo na Inquisição (Coimbra, proc. 881), a 09/11/1663-10/03/1685, acusada de Judaísmo; Heresia; Apostasia. Casou em 26 de Julho de 1645 com Álvaro Guterres Pacheco.
A RÉ FOI OUVIDA E, EM 1663-11-10, OBTEVE LICENÇA PARA IR PARA A SUA TERRA, SENDO-LHE PASSADO TERMO DE SEGREDO; EM 1664-12-01, CONFESSOU MAIS CULPAS; EM 1685-02-07, JÁ ENTÃO CASADA COM ÁLVARO GUTERRES, MERCADOR, FOI NOTIFICADA PARA SE VOLTAR A APRESENTAR; NÃO FOI A AUTO-DE-FÉ PÚBLICO; EM 1685-03-12, FOI-LHE PASSADO TERMO DE IDA(deportação), SEGREDO E PENITÊNCIAS.

Diogo Rodrigues de Chaves. Ou Diogo Mendes, nasceu por volta de 1647.Vivia em Trancoso em 1663 e em 1705, sem ofício mas vivendo da sua agência. Mercador depois, casou com Luzia Mendes. Tiveram:

Branca Rodrigues. Vivia em Trancoso em 1723, sendo casada. A 20/11/1725-09/05/1728 teve processo na Inquisição de Coimbra, (proc. 5924 ). TERMO DE SOLTURA E SEGREDO EM 10-05-1728; TERMO DE IDA E PENITÊNCIA EM 22-05-1728(deportação). Casou com Diogo de Ávila, mercador.

Diogo Rodrigues de Chaves teve bastarda em Maria Cardoso, de Trancoso, que também tinha fama de cristã-nova:

Leonor Rodrigues. Casou com Manuel Antão, filho de Manuel Francisco e de Guiomar do Couto, de Freches. Casou depois com Manuel da Cruz, filho de Manuel de Matos, já defunto, e de Isabel Pinheira.

João Rodrigues. Tinha 27 anos em 1664 e vivia solteiro em Trancoso.

Isabel Rodrigues. Era natural do Teixoso. Casou com Diogo Lopes, mercador, sendo viúva e moradora em Trancoso em 1661. Tiveram:

Isabel Rodrigues. Nasceu por volta de 1643 e vivia em 1663.

Francisco Rodrigues Moniz. Natural do Teixoso, mercador, casou com Catarina Soares, filha de Gaspar Soares e de Catarina Soares. Ambos foram padrinhos em São Pedro em 7 de Junho de 1638. Viviam em Trancoso em 1650.

Beatriz Álvares, ou Brites Rodrigues, nascida na Covilhã, teve processo a 25/10/1663-13/02/1667 (Inquisição de Coimbra, proc. 3693), acusada de judaísmo; heresia; apostasia. FOI PASSADO À RÉ TERMO DE SOLTURA E SEGREDO EM 1667-02-26; EM 1667-03-08, FOI-LHE DADA LICENÇA PARA SE IR(deportação); EM 1669-03-08, FOI-LHE COMUTADO O DEGREDO PARA UMA DAS PROVÍNCIAS DO ALENTEJO. Casou com Diogo Soares da Fonseca, tendeiro por alcunha «O Santinho».

Margarida Nunes. Vivia solteira em Trancoso em 1658, onde nascera por volta de 1643. Foi presa pela Inquisição de Coimbra antes de 1664. Casou com Diogo Soares de Oliveira, filho de Henrique Soares e de Maria Nunes, com a geração que se dá a esse Diogo Soares.

Leonor Rodrigues ou Leonor Nunes. Natural de Trancoso, onde vivia solteira em Trancoso em 1658, tendo nascido por volta de 1645. Teve processo na Inquisição, a 01/10/1663-13/02/1667 (Inquisição de Coimbra, proc. 6182).Viveu em Pinhel, casada com Gaspar Nunes, tratante.

Ana Nunes. É dada como irmã de Isabel Rodrigues e de Leonor Rodrigues.

Luís de Chaves. Era solteiro e morador em Trancoso em 1663.

Isabel. Era solteira e teria 18 anos em 1663 .

Jorge de Chaves. Faleceu em Nossa Senhora da Fresta em 10 de Maio de 1658.

RESUMO: A inquisição foi um dos períodos mais obscuros da humanidade. Os tribunais inquisitórios destruíram vidas inteiras. Jovens de pouco mais de 18 anos foram deportados, perderam seus bens, seu pátria, suas vidas. A Inquisição durou cerca de três séculos, praticando torturas, abusos e muitas injustiças contra os judeus.